27 de mai. de 2020

Posição de Edilson Baldez sobre situação econômica do Maranhão na pandemia repercute no meio empresarial

GIRO ECONÔMICO

Repercute nos meios empresarial e político a posição assumida pelo presidente da Federação das Indústrias (Fiema) sobre a situação das empresas diante da pandemia de coronavírus. "A gravidade da situação impõe aos líderes políticos, aos empresários e a sociedade soluções para o enfrentamento da pandemia", diz ele.

"O Brasil está atravessando um momento muito difícil. A crise sanitária está provocando perdas irreparáveis, tirando vidas, fechando empresas e abalando a economia. Afeta a saúde do brasileiro, os negócios, elimina empregos e destrói as esperanças da população. A gravidade da situação impõe aos líderes políticos, aos empresários e a sociedade soluções para o enfrentamento da pandemia. A Fiema está fazendo sua parte, contribuindo no apoiamento aos empresários industriais, aos trabalhadores, à sociedade e aos governos, realizando ações de responsabilidade social e de solidariedade à população", diz Baldez.

"A indústria precisa se recuperar e voltar a prosperar. É tempo de unir forças e promover a harmonia para combater a pandemia. Porque, toda dificuldade tem começo e fim", conclui o presidente da Federação das Indústrias.

Recuperação de empresas - A advogada Ana Cristina Brandão, em entrevista à revista Maranhão Hoje de maio, que está nas bancas, estima que um grande número de empresários vão bater às portas do Judiciário para pedir recuperação judicial por não poderem continuar suas atividades normalmente após a pandemia de coronavírus. A recuperação judicial, como orienta, pode dar fôlego às empresas para que evitem o pior, que é a falência. Ana Cristina fala também sobre segurança jurídica após as medidas para conter a proliferação do covid-19.

Mesa Feliz da ACM - No último final de semana, a Associação Comercial do Maranhão realizou a etapa final do projeto solidário “Mesa Feliz”, iniciada na semana que antecedeu o Dia das Mães e que arrecadou doações para a compra de aproximadamente 7,5 toneladas de alimentos. Na última etapa foram entregues 300kg de frango e 100kg de trigo para instituições que atendem mães carentes. Foram atendidas a Associação de Mães de Vila Nova, Vila São Benedito, no Anjo da Guarda; Paróquia São Francisco de Assis, no Anjo da Guarda; Instituto São José do Bonfim, na Ponta do Bonfim.

A Corte Eleitoral do Maranhão está sob novo comando,
com a saída do presidente Cleones Cunha, que foi sucedido
pelo também desembargador Tyrone Silva, que tem como
principal desafio coordenar a eleição deste ano
Teste rápido - Duas lojas da Pague Menos em São Luís – Calhau e Turu – e uma em Imperatriz – Centro – iniciam nesta quinta-feira (28) a prestação de serviços de testagem rápida para coronavírus. O objetivo é dar às pessoas mais segurança sobre seu quadro de saúde, pois podem saber se estão ou se já estiveram infectados pelo covid-19.

Colaboração das indústrias - Como forma de suprir a demanda por produtos que estão em falta no mercado e ajudar o sistema de saúde, quatro grandes companhias do estado se uniram para produzir e engarrafar álcool. Enquanto a empresa sucroalcooleira AgroSerra, de Balsas, produz o álcool a 70%, a FC Oliveira, que produz itens de higiene, embala o produto em recipientes de um litro. As garrafas PET foram doadas pela Solar Coca-Cola, franqueada maranhense da gigante de bebidas.

Golpe na internet - A construtora MRV denunciou nesta quarta-feira (27) uma campanha que pode induzir pessoas a caírem numa armadilha para prática de possíveis golpes com o lançamento de uma falsa campanha de sorteio de imóveis. “Pessoas estão utilizando o nome da companhia para conseguir dados pessoais para usá-los de forma indevida. As nossas promoções estão devidamente regulamentadas em nosso site oficial: https://www.mrv.com.br/regulamento”, diz o comunicado da empresa.



MRV denuncia uma falsa campanha para sorteio de casas que pode expor pessoas possível prática de golpes na net

A MRV distribuiu nesta quarta-feira (27) nota com denúncia de uma armadilha para possíveis fraudes por meio de uma falsa campanha de doações de casas pela construtora.

O post, que já conta com mais de 6 mil mensagens trocadas e cerca de 2 mil compartilhamentos, encaminha as pessoas para uma página onde devem preencher seus dados, que pode ser utilizados.

Leia mais:
MRV contrata corretores para venda dos novos condomínios que está lançando em São Luís

Para driblar crise da pandemia de coronavírus, MRV cria condições especiais para venda de imóveis

Comunicado:

Informamos que não está acontecendo nenhum cadastro para doação de casas através de páginas das rede sociais. Salientamos ainda que não solicitamos dados pessoais em páginas que não são oficiais. Fique atento às tentativas de fraude! Pessoas estão utilizando o nome da companhia para conseguir dados pessoais para usá-los de forma indevida. As nossas promoções estão devidamente regulamentadas em nosso site oficial: https://www.mrv.com.br/regulamento. Informamos também que a solicitação de dados pessoais por parte da MRV ocorre exclusivamente através do nosso site oficial: https://www.mrv.com.br ou através do inbox da página no Facebook https://www.facebook.com/mrv.

26 de mai. de 2020

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Quem ao longo de décadas vem tomando cloroquina para cura de malária, artrite e lupo sente quais efeitos colaterais? Quantos já morreram pelo uso desse medicamento? Ou isso nunca foi objeto de preocupação da comunidade científica e médica?

Leia mais
Organização Mundial de Saúde interrompe ensaio clínico com cloroquina em pacientes com covid-19

Pesquisa realizada pelo Sebrae aponta impacto da pandemia de coronavírus nas micro e pequenas empresas

GIRO ECONÔMICO

Pesquisas realizadas pelo Sebrae desde o anúncio da pandemia do coronavírus, mostram que a crise econômica atingiu em cheio os pequenos negócios em praticamente todos os setores da atividade econômica; mas foi especialmente prejudicial para as mulheres empreendedoras. Durante a crise, segundo o levantamento, as mulheres estão buscando mais soluções digitais que os homens para continuar funcionando (34% contra 31%) e avançaram mais que os empresários do sexo masculino no sentido de implementar as vendas on-line.

O estudo do Sebrae revelou ainda que as mulheres estão ligeiramente mais otimistas que os homens sobre quanto tempo vai demorar para a economia voltar ao normal, após a pandemia (10 meses contra 11 meses no caso dos homens).

Números da Pesquisa:
  • As mulheres foram mais afetadas pela crise (52% fecharam “temporariamente” ou “de vez” contra 47% nos homens)
  • Em média, as mulheres precisam 14% a menos que os homens para manter seu negócio sem fechar (R$12,4 mil contra R$ 14,5 mil nos homens)
  • As mulheres buscam mais soluções digitais que os homens para continuar funcionando (34% contra 31%)
  • As mulheres caminharam mais (que os homens) para vendas on-line.
  • Os homens buscaram mais (que elas) gerenciar as contas pelo app do banco
  • No empreendimento delas, em média, há 3 pessoas ocupadas (no deles 4 pessoas ocupadas)
  • As mulheres tiveram que dispensar 2 pessoas, em média, por causa do Covid-19 (os homens demitiram 3 pessoas)
  • As mulheres utilizaram um pouco mais a medida da suspensão do contrato de trabalho (31%) do que os homens (27%)
  • Empréstimos sem juros (59%) e auxílio temporário para subsistência (55%) seriam as medidas mais demandadas pelas mulheres para compensar a crise
  • As mulheres costumam procurar menos empréstimos que os homens (44% nunca buscou contra 38% dos homens)
  • Nessa crise, as mulheres pretendem pedir menos empréstimos que os homens (54% contra 64% dos homens)
  • Só 34% das mulheres, de fato, já buscaram empréstimos (contra 41% dos homens). Em ambos os casos, a maioria que buscou, foi a bancos, mas poucos conseguiram (perto de 5% na média dos dois gêneros)
  • A proporção de mulheres com dívidas em atraso (34%) é maior que a encontrada entre os homens (31%)
  • As mulheres estão ligeiramente mais otimistas que os homens sobre quanto tempo vai demorar para a economia voltar ao normal (10 meses contra 11 meses no caso dos homens)
UTI em Grajaú - Mesmo sem contar com qualquer tipo de apoio do Governo do Estado, o prefeito de Grajaú, Mercial Arruda, instalou no seu município uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com dez leitos exclusivos para o tratamento de pacientes afetados pela covid-19. Segundo o deputado federal Hildo Rocha (MDB), o prefeito agiu de forma correta e heroica pois os custos do empreendimento foram bancados com recursos próprios do município. Rocha afirmou que irá lutar para que o governo federal ajude no funcionamento da UTI municipal.

Travessia pelo ferryboat - A partir desta terça-feira (26), a Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), irá disponibilizar 12 viagens diárias no transporte aquaviário (ferryboat). A  empresa Servporto vai realizar a travessia às 4h, 10h e 16h saindo do Terminal da Ponta da Espera em direção ao Cujupe; e às 6h30, 12h30 e 18h30 no sentido Cujupe em direção à Ponta da Espera. Já a Internacional Marítima realiza as viagens às 7h, 13h e 19h saindo de São Luís sentido Cujupe e às 9h, 15h30 e 21h30 no sentido contrário.

Posição da Fiema - Repercute nos meios empresarial e político a posição assumida pelo presidente da Federação das Indústrias (Fiema) sobre a situação das empresas diante da pandemia de coronavírus. "A gravidade da situação impõe aos líderes políticos, aos empresários e a sociedade soluções para o enfrentamento da pandemia", diz ele.

Leia mais

Transporte aéreo - A demanda por voos domésticos teve queda de 93% em abril, em relação a igual mês do ano passado, refletindo o agravamento do impacto da pandemia do novo coronavírus na aviação comercial brasileira. A oferta de assentos nos aviões recuou 91,3% na mesma comparação. Esses dois indicadores são os piores resultados mensais da série histórica da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), iniciada em 2000. Os dados foram compilados pela Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) e incluem as operações de suas associadas (Gol, Latam, Voepass/Map) e trazem números agregados das demais empresas nacionais.

Corretores de imóveis - Até esta sexta-feira (26), MRV recebe inscrições para o credenciamento de corretores autônomos em São Luís. O objetivo é reforçar sua equipe na cidade com foco nos novos condomínios que serão lançados pela companhia.
 Os candidatos devem ter ensino médio completo ou superior, experiência nas áreas de vendas, promoção, telemarketing e/ou afins, e habilidade em informática.

Presidente do Poder Judiciário, Lourival Serejo, prorroga regime de plantão extraordinário até o dia 14 de junho

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, Lourival Serejo, e o corregedor-geral da Justiça, Paulo Velten, assinaram a portaria-conjunta nº 29/2020, para prorrogar o regime de Plantão Extraordinário (trabalho remoto) até o dia 14 de junho. O prazo poderá ser ampliado ou reduzido, caso necessário, por ato da Presidência do Tribunal.

A medida considera a declaração pública de pandemia em relação ao novo coronavírus pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Decreto nº 35.672/2020, que declarou situação de calamidade no Estado do Maranhão. Além disso, o documento tem como base o que está disposto nas Resoluções do Conselho Nacional de Justiça 313/2020, 314/2020, 318/2020 e na Portaria nº 79/2020.

No âmbito do Judiciário estadual, a portaria-conjunta leva em consideração as portarias-conjuntas nºs 14, 16, 18 e 23/2020; o Ato da Presidência GP 6/2020; e as Resoluções GP nº 22/2020 e 25/2020.

25 de mai. de 2020

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Já que enfrentamento de pandemia é Ciência, por que se leva tão a sério uma estimativa sobre o que iria acontecer sem a decretação de lockdown?

Por que quem tem três membros da família pode e quem emprega até duas pessoas não pode abrir seu comércio?

PONTO DE VISTA

Após dois meses impedidos de abrir as portas dos seus estabelecimentos para atender exigências do poder público com sua política de contenção do coronavírus, algumas pequenas empresas estão podendo se reencontrar com a clientela a partir desta segunda-feira (25), mas somente aqueles negócios que têm a família envolvida na atividade poderão funcionar, o que, convenhamos, é uma visão equivocada do Governo do Estado, por estabelecer uma concorrência desleal com quem não tem cônjuge, filhos, mas paga salário a um ou dois auxiliares.

Peguemos um exemplo: João é casado com Raimunda, com que tem uma Francisca uma filha. Ele é dono de uma pequeno bazar e elas trabalham com ele, portanto, está autorizado a abrir, mas a proprietária da empresa ao lado, Maria José, que é solteira e não tem filhos, não pode porque quem a auxilia são dois empregados que paga e garante todos os direitos trabalhistas, e assim vai ter que continuar esperando os debates realizadas nas secretarias de Indústria e Comércio, Direito Humanos e Casa Civil para saber quando vai chegar a sua vez de ter permissão para também fazer a roda girar e cessar a falta de dinheiro no caixa.

É uma coisa difícil de entender, pois, afinal de contas, o governo criou um Conselho Empresarial justamente para debater assuntos ligados à iniciativa privada, e não se admite que ninguém atente para uma situação como esta.

Pensando bem, o que o governador Flávio Dino fez foi autorizar o que já estava insubordinadamente autorizado em diversas partes da cidade, pois até mesmo durante o lockdown, pequenos comerciantes que precisam abrir sua loja todos os dias para apurar a feira da manhã seguinte, pagaram para ver o risco de se defrontar com o coronavírus, pois estavam funcionando, pouco ligando se sua atividade é essencial ou não, até porque estavam entre dois riscos: contaminação ou falência,.

Com todo respeito aos que seguem as recomendações da ciência e optaram por um modelo de enfrentamento da pandemia, para muitas pessoas, diferentemente de um promotor de Justiça, de um defensor público, de um juiz ou desembargador, de um técnico concursado (portanto estabilidade), de um vereador, deputado ou senador e outros donos de contracheque gordo, que chova ou faça sol o dinheiro cai na conta, "ficar em casa" não a melhor alternativa, apesar do risco.

Na próxima semana, o governador promete flexibilizar a economia para outros segmentos. Vamos torcer para que Maria José também seja autorizada a abrir sua loja e seus empregados não precisem ir para a fila do seguro desemprego. Talvez junto com ela, outros gigantes também já estejam com permissão de abrir. Seja como for, melhor assim.