9 de abr. de 2020

VLI lança nova ferramenta para garantir mais segurança dos colaboradores durante a pandemia de coronavírus

GIRO ECONÔMICO

A VLI disponibilizou, nesta terça-feira (07), mais uma ferramenta de tecnologia de ponta para o enfrentamento da pandemia de coronavírus. Trata-se de uma plataforma virtual de telemedicina que pode ser acessada remotamente por todos os aproximadamente 7,5 mil funcionários da companhia e que está apta a auxiliar no diagnóstico de diversas doenças, entre elas a Covid-19. 

Por meio deste recurso de inteligência artificial identificado pelo Inova VLI, programa de inovação da companhia, e desenvolvido pela startup Conexa Saúde; o empregado é avaliado, à distância, com segurança e precisão, por um médico do Departamento de Saúde da VLI, a qualquer hora do dia ou da noite. A avaliação é feita com a ajuda de um aplicativo e por meio de mensagens de texto e/ou de áudio, ou chamadas de vídeo de alta qualidade, que podem ser feitas por um telefone celular, por exemplo. 

Leia mais
VLI investe em tecnologia e telemedicina para combater o coronavírus


Caso haja necessidade, um especialista da Conexa Saúde também poderá ser acionado remotamente, permitindo que o empregado seja avaliado por profissionais de diversas áreas, como clínica geral, cardiologia, neurologia, ortopedia, endocrinologia, dermatologia, oftalmologia e psiquiatria.

Proibição de hospedagem - Dentre as recomendações que o Ministério Público Federal encaminhou ao governador Flávio Dino para serem adotadas como medidas de contenção do coronavírus, uma das mais polêmicas que afunda mais ainda as empresas de hotelaria na crise é que a estabelece a proibição de recebimento de novos hóspedes, o que se torna complicado para quem chega à cidade até para cumprimento de trabalho de saúde: médico, enfermeiro, fornecedor de equipamentos e outros profissionais essenciais neste momento.

Leia mais
Ministério Público Federal cobra do Governo do Estado medidas efetivas para combater covid-19

Móveis e eletrodomésticos - Em parecer elaborado a pedido de empresários do ramo de móveis e eletrodomésticos do Maranhão, o advogado Paulo Gallo recorre a recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para mostrar que este segmento do comércio é essencial para saúde humana, portanto não deveria estar impedido de funcionar por medidas de isolamento social por conta da pandemia de coronavírus. Ele cita vários estudos da OMS sobre cuidados com saúde que incluem o uso de objetos comercializados pelas empresas do setor.

Neste momento de vendas praticamente zeradas, Osvaldo Muller (E),
presidente do Sindicato dos Comerciários, e José Arteiro da Silva, presidente
da Federação do Comércio, afinam os discursos para que a crise
 não afete tanto os empregos quanto os trabalhos
Empresas de transporte - As empresas de ônibus que fazem o transporte de passageiros para o interior maranhense e outros atravessam uma das crises mais acentuadas, estando praticamente impossibilitadas de funcionar com os decretos que proíbem os seus serviços.

Sistema S - O senador Weverton (PDT-MA) apresentou uma emenda à Medida Provisória 932/2020 para reduzir o corte de 50% das contribuições recolhidas pelas empresas para financiar o Sistema S. A redução está sendo aplicada desde o dia 1° de abril e vai até o dia 30 de junho. Alcança o Sesi e Senai (indústria), Sesc e Senac (comércio), Sescoop (setor de cooperativas), Sest e Senat (transporte) e Senar (rural). Para o parlamentar, que propõe uma redução de apenas 20%, este não é o momento de fazer um corte tão drástico no valor recebido.

Vacinação contra aftosa - O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) vai manter o calendário 2020 de imunização contra a febre aftosa. Devem ser vacinados bovinos e bubalinos de todas as idades. A primeira etapa da campanha nacional de vacinação está confirmada entre os dias 1º a 31 de maio, em boa parte do território nacional Conforme entendimento com produtores de Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, a campanha de vacinação terá início em 1º de junho.

Flávio Dino é o sétimo colocado no Índice de Popularidade Digital da Consultoria Quaest, segundo Folha de São Paulo

O governador do governador Flávio Dino (PCdoB) o sétimo colocado no Índice de Popularidade Digital (IPD), segundo avaliação da consultoria Quaest, que acompanhou o movimento de líderes políticos nas redes de 26 de fevereiro a 4 de abril. De acordo com o levantamento, o governador é melhor posicionado que os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM).

À frente do governador, e bem distanciados estão o presidente Jair Bolsonaro (sem partido); o ministro da Saúde, Henrique Manderra (DEM); o apresentador de TV Luciano Huck (sem partido); o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT); o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM); e o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT).

A Quaest elaborou um índice comparativo de 0 a 100 a partir de variáveis como número de seguidores, volume de comentários, reações positivas e engajamento nas redes sociais. Buscas na enciclopédia online Wikipedia e no Google também foram consideradas.



8 de abr. de 2020

Governo do Estado anuncia benefício de R$ 600 a quem perdeu renda como se fosse criação sua e não do federal

O Governo do Maranhão lançou nesta quarta-feira (08) uma peça publicitária para anunciar um benefício social, mas sem dar o devido crédito ao dono da ideia: o Governo Federal.

Trata-se de uma chamada para credenciamento dos que irão receber um auxílio de R$ 600 para compensar a perda de renda parte daqueles que foram proibidos de trabalhar por conta dos decretos de isolamento social como estratégia de conter os avanços do covid-19.

Apesar do uso desse benefício aos menos favorecidos, o que de certa forma ajuda a pelos menos os beneficiários a saber como recebê-lo, o Governo do Estado  não faz nenhuma menção ao Governo Federal. Ao contrário, aliados e auxiliares continuam fazendo campanha negando qualquer iniciativa da União para amenizar a crise enfrentada pela população.

O senador Roberto Rocha (PSDB), ao criticar essa atitude, chamou a campanha da "caronavírus".

Presidente diz que isolamento social é uma exclusividade de governadores e prefeitos e resultados também serão

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, faz pronunciamento  em Rede Nacional de Rádio e Televisão.
No pronunciamento feito nesta quarta-feira (08), em cadeia de rádio e televisão, o presidente Jair Bolsonaro disse que os isolamentos sociais como estratégia de combate aos covid-19 são exclusividade dos governadores e prefeitos aos quais caberá os resultados. "Respeito a autonomia dos governadores e prefeitos. 

"Muitas medidas, de forma restritiva ou não, são de responsabilidade exclusiva dos mesmos", completou. O presidente voltou a destacar que a grande maioria dos brasileiros, "com certeza", quer voltar a trabalhar. "Esta sempre foi minha orientação a todos os ministros, observadas as normas do Ministério da Saúde”, destacou. 

Leia mais
Bolsonaro anuncia que Brasil vai receber matéria-prima da Índia para produzir a hidroxicloroquina


Citando o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, Bolsonaro disse que as soluções para a pandemia variam de país para país e ressaltou que os mais pobres precisam trabalhar para garantir a alimentação.

“Os mais humildes não podem deixar de se locomover para buscar o seu pão de cada dia. As consequências do tratamento não podem ser mais danosas que a própria doença. O desemprego também leva à pobreza, à fome, à miséria, enfim, à própria morte”, acrescentou.

Mandetta diz que quem está no comando da equipe que combate o coronavírus é o presidente Jair Bolsonaro

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participa de coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, sobre as ações de enfrentamento ao covid-19 no país
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mandou hoje um recado aos que tentam desvincular as ações de combate ao covid-19 do governo federal. Na entrevista coletiva desta quarta-feira (08), em que mostrou novos números do coronavírus, disse que quem está no comando da equipe é o presidente Jair Bolsonaro.

Mandetta mandou também um recado aos governadores: “Não existe ninguém dono da verdade. Não existe nenhum estado que possa falar eu sou melhor que o outro. Não tem”, disse, pregando disciplina.

O ministro também reclamou do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que estaria querendo politizar o enfrentamento da pandemia e refez a colocação de que teria sido o infectologista Davi Uip que recomendou cloroquina aos pacientes do covid-19. Segundo ele, o médico foi apenas um dos participantes de uma teleconferência sobre o assunto no Conselho Federal de Medicina (CFM).

Lei mais
Assista transmissão ao vivo: Governo detalha medidas de combate ao novo coronavírus
Número de mortos por covid-19 no Brasil chega a 800 e os casos confirmados são mais de 15,9 mil

Prefeito de Santa Rita diz que não apenas os decretos de Flávio Dino servem para enfrentamento do coronavírus

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo
O prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (Patriota), usou sua conta no Facebook para criticar o governador Flávio Dino (PCdoB) por vir impondo suas vontades sobre como enfrentar a pandemia do coronavírus por meio de decretos sem ouvir opiniões de outros agentes do poder público. Segundo ele, o governador precisa formar urgentemente um “gabinete de crise” e colocar um infectologista para orientá-lo.

Leia mais
Flávio Dino suspende serviços de ônibus e vans que fazem transporte de passageiros no Maranhão

O prefeito lamenta o fato de o Governo do Estado dispor de vários testes rápidos para confirmação ou não de infecção pelo coronavírus, Tmas "não nos enviou ainda nenhum", o que obrigou a Prefeitura do seu município a adquirir 250 kits," o que ainda é pouco". 

Hilton Gonçalo encerra sua postagem dizendo que "não podemos dizer que apenas o decreto do governador é que deva ser seguido, os prefeitos também tem apresentados sugestões e os decretos municipais devem ser observados..."





Jair Bolsonaro critica conduta ética de médicos que não admitem o uso de hidroxicloroquina para cura de covid-19

David Uip se "esquiva" e não responde se usou cloroquina | Saúde ...Um dia após o Ministério da Saúde ter anunciado a liberação do uso da hidroxicloroquina para tratamento de coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro utilizou sua conta no Twitter para lembrar que há mais de 40 dias vem defendendo esse procedimento, e criticou "dois renomados médicos" - David Uip (foto), que assessora o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e Roberto Kalil, do Hospital Sírio Libanês - ambos entrevistados no Brasil Urgente por José Luiz Datena, mas ao serem indagados se recorreram ao medicamento se recusaram a responder.

Leia mais
Ministério da Saúde autoriza aplicação de hidroxicloroquina em pacientes de coronavírus


"Seriam questões políticas, já que um pertence à equipe do Governo de SP?", indaga o presidente sobre a conduta de David, e acrescenta: "esse segredo não combina com o juramente de Hipócrates que fizeram".

Seguem as postagens do presidente:


1- Há 40 dias venho falando do uso da Hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19. Sempre busquei tratar da vida das pessoas em 1° lugar, mas também se preocupando em preservar empregos. Fiz, ao longo desse tempo, contato com dezenas médicos e chefes de estados de outros países.
1,3 mil
2,4 mil
11,5 mil

2- Cada vez mais o uso da Cloroquina se apresenta como algo eficaz. Dois renomados médicos no Brasil se recusaram a divulgar o que os curou da COVID-19. Seriam questões políticas, já que um pertence a equipe do Governador de SP?
372
1,4 mil
8 mil
3- Acredito que eles falem brevemente, pois esse segredo não combina com o Juramento de Hipócrates que fizeram. Que Deus ilumine esses dois profissionais, de modo que revelem para o mundo que existe um promissor remédio no Brasil.