23 de dez. de 2013

Estado atrasa pagamento de 1 milhão de litros de leite e deixa laticínio à beira da falência em Imperatriz

Cerca de 100 trabalhadores estão com seus empregos ameaçados e mais de 700 pequenos produtores de leite ficaram sem ter para quem vender seus produtos com a suspensão das atividades do laticínio M J Empreendimentos, localizada no município de Imperatriz. De acordo com um dos fornecedores da empresa, o problema alegado para a interrupção das atividades é uma dívida contraída pelo governo do estado desde 2012, quando suspendeu o pagamento de mais de 1 milhão de litros de leite destinados a programas sociais em mais de 50 municípios.
O fornecimento do leite, pelo laticínio, foi realizado entre novembro e dezembro do ano passado e a empresa, que recebia pela venda quinzenal, teve seus pagamentos suspensos, sem que até hoje tivesse conseguido destravar a burocracia da Secretaria Estadual de Saúde para liberar essas faturas. Os mais prejudicados são os pequenos produtores, pois além de não terem recebido o dinheiro pela venda do leite para o laticínio, perderam seu principal fornecedor.
De acordo com as informações da fonte ouvida pelo Jornal Pequeno, o leite recebido pelo MJ, depois de pasteurizado, era levado a 54 municípios conveniados com a Secretaria de Saúde, para distribuição a comunidades carentes. Pelas regras do programa, o leite era fornecido por pequenos criadores, que têm uma produção média diária de 27 litros. A quantidade de leite não paga foi toda ela entregue e atestada como recebida por funcionários das prefeituras, credenciados para a transação.
Com o não pagamento dessa produção, o laticínio MJ Empreendimentos não teve outra alternativa a não ser suspender as atividades. Dos mais de 100 empregados, cerca de oitenta já receberam aviso prévio e os demais aguardam o desfecho para saber se vão continuar ou não com seus empregos. Já os pequenos fornecedores ameaçam fazer um protesto contra a situação, visando a forçar o governo a quitar a dívida, de modo que possam também receber a parte que lhes cabe. Também são prejudicadas com esta crise as comunidades carentes que recebiam o leite diariamente, mas tiveram o benefício interrompido. 
A repercussão negativa do problema deve se estender a várias regiões do estado, pois além da região tocantina, há pequenos fornecedores no Vale do Pindaré e outros lugares que estão prejudicados. A soma dos empregados com os pequenos criadores chega a mais de mil famílias, ou seja, algo em torno de 5 mil pessoas, sem contar aqueles que prestavam serviços aos fornecedores do laticínio.

Nenhum comentário: