17 de dez. de 2013

Ministério Público debate aumento de mortes por armas de fogo em São Luís, a capital mais violenta do Brasil

Para debater o alto índice de violência em São Luís, que de 2000 a 2010 registrou o aumento de 267% no número de mortes por armas de fogo, segundo o Mapa da Violência 2013,  o Ministério Público do Maranhão vai promover nesta quarta-feira (18), às 14h30, no auditório da Procuradoria Geral de Justiça (Rua Osvaldo Cruz - Centro), audiência pública sobre “Os Números da Criminalidade na Grande São Luís”. O evento é organizado pelo promotor de justiça José Cláudio Cabral Marques, coordenador do Centro de Apoio Operacional do Controle Externo da Atividade Policial (CAOp-CEAP) do MPMA.
A justificativa do evento é os números do Mapa da Violência colocam São Luís em primeiro lugar, entre as demais capitais brasileiras em assassinatos por armas de fogo. Em relação ao número de homicídios, na mesma década, a evolução da violência é ainda maior: aumento de 344% de vítimas.
De acordo com a pesquisa, foram registrados, em 2012, 260 assaltos na região metropolitana de São Luís. Em 2013, sem contabilizar o mês de dezembro, o número subiu para 530, totalizando aumento de 103%. “A situação é muito grave e requer um esforço conjunto das instituições e do Poder Público para combater o problema”, avalia Cabral.
Segundo pesquisa realizada pelo CAOp-CEAP, no Instituto Médico Legal (IML), de 2010 a 2013, o número de homicídios também aumentou. Em 2010, foram registrados 535 homicídios; em 2011, 655; em 2012, 687; e em 2013, dados contabilizados até novembro, registram 848 assassinatos. Uma das propostas que será lançada pelo MPMA, na audiência, é a criação do Observatório da Violência, em parceria com o Tribunal de Justiça, Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MA), Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Uniceuma.
A audiência, entre outras autoridades, terá a presença da professora Rosângela Rosa, do Núcleo de Estudos da Violência da UFMA e do presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA, Luis Antonio Pedrosa.


Nenhum comentário: