4 de dez de 2014

Na Associação Comercial, Simplício Araújo diz que política de desenvolvimento de Rosena é equivocada

Ao participar nesta quarta-feira (03) de um encontro com a classe empresarial, na Associação Comercial do Maranhão, o deputado federal Simplício Araújo, indicado pelo governador eleito, Flávio Dino (PCdoB), para comandar a Secretaria de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Sedinc), criticou a política de desenvolvimento do Governo Roseana Sarney. Ele citou o Parque Empresarial de Timon como exemplo dos equívocos do atual governo, pois a área reservada para as indústrias não está dotada dos serviços de água e esgoto, que seriam básicos para garantir o bom funcionamento das empresas.
Lançado em abril de 2013, o Parque Empresarial de Timon foi apresentado com uma estrutura de condomínio empresarial, oferecendo um espaço seguro com vigilância motorizada e vídeo monitoramento, saneamento básico, paisagismo, transporte público, subestação de energia, ciclovia, centro de eventos, estacionamento para caminhões, internet de fibra ótica, entre outros.
Roseana Sarney fazenda a apresentação do Parque de Timon
Simplício Araújo considerou equivocada também a política de atração de grandes empreendimentos sem levar em conta o impacto nas empresas locais. Sem citar nomes, disse que algumas das grandes empresas atraídas para o Maranhão desestruturaram a cadeia produtiva do seu setor. Diante destas colocações, adiantou que a valorização da pequena e micro empresa maranhense é prioridade do novo governo, pois através delas é que serão garantidos mais empregos e geração de renda para a população. Ele disse também que o governo tudo fará para direcionar às regiões de menor IDH os investimentos empresariais, de forma a diminuir as desigualdades econômicas dos municípios.Outra crítica do novo secretário de Indústria e Comércio diz respeito ao Porto do Itaqui. Segundo ele, o governo faz propaganda sobre o potencial do terminal portuário maranhense, porém nada investe em seu favor, já que os últimos recursos aplicados em sua melhoria são da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) e do governo federal. A Refinaria de Bacabeira (obra do governo federal) e o polo de confecções de Rosário, criado nos anos 1990 (ainda no primeiro governo de Roseana Sarney) também exemplificam as críticas do deputado ao modelo de desenvolvimento que "será sepultado para sempre em janeiro de 2015".

Nenhum comentário: