9 de abr de 2015

Custo da construção civil no Maranhão volta a ser o mais caro do Nordeste, segundo pesquisa do IBGE

O Maranhão, que há meses estava numa posição intermediária, voltou a ser o estado onde o custo da construção civil é o mais caro da região Nordeste, segundo Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), medido no mês de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pela Caixa Econômica Federal, divulgado nesta quarta-feira (08). De acordo com a pesquisa, a elevação, em comparação ao levantamento anterior, foi de 2,42%, passando para R$ 947,95 o metro quadrado no estado.
Em nível nacional, o aumento ficou em 0,23%, taxa superior ao índice de 0,18% do mês anterior. O custo nacional da construção civil ficou em R$ 916,85 por metro quadrado. A mão de obra teve a maior alta mensal de 0,28%, passando a custar R$ 418,79 o metro quadrado. Materiais de construção tiveram uma inflação de 0,19%, chegando a um custo por metro quadrado de R$ 500,16.
Entre os estados, 19 tiveram alta do custo da construção. Maranhão e Rio Grande do Sul (1,54%) foram os que registraram maior elevação. Os preços mantiveram-se estáveis no Ceará e tiveram queda em sete estados, entre eles Pernambuco (-0,35%). Segundo o IBGE, o aumento expressivo no Maranhão é decorrência da pressão exercida pelo reajuste salarial do acordo coletivo, enquanto no Rio Grande do Sul, a elevação se deve ao adiantamento salarial dos profissionais da área.
O IBGE revela ainda que do custo nacional R$ 500,16 são relativos aos materiais e R$ 418,79 à mão de obra. A parcela dos materiais apresentou variação de 0,19%, subindo 0,01 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,18%). A mão de obra registrou variação de 0,28%, subindo 0,10 ponto percentual em relação a fevereiro (0,18%). Os acumulados do ano são 0,57% (materiais) e 0,68% (mão de obra). Os acumulados em doze meses ficaram em 3,00% (materiais) e 8,04% (mão de obra).

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL
Março/2015 não considerando a desoneração da folha de pagamento de empresas do setor da construção civil
ÁREAS GEOGRÁFICAS
CUSTOS MÉDIOS
NÚMEROS ÍNDICES
VARIAÇÕES PERCENTUAIS
R$/m2
Jun/94=100
MENSAL
NO ANO
12 MESES
BRASIL
983,33
492,09
0,23
0,61
5,42
REGIÃO NORTE
993,23
494,73
0,21
1,12
4,96
Rondônia
1038,82
579,17
-0,11
0,20
2,60
Acre
1085,81
576,32
0,38
0,26
6,15
Amazonas
985,76
482,65
0,69
1,09
5,13
Roraima
1067,87
443,56
-0,22
0,06
6,31
Para
962,58
461,28
0,07
1,00
4,70
Amapá
993,47
482,40
-0,02
4,90
5,51
Tocantins
1023,12
537,88
0,09
0,84
5,56
REGIÃO NORDESTE
914,69
494,10
0,39
0,81
5,10
Maranhão
947,95
499,49
2,64
2,61
2,66
Piauí
940,49
624,99
0,43
0,58
5,88
Ceara
902,20
520,86
-0,01
0,46
4,62
Rio Grande do Norte
875,52
441,14
0,18
0,34
4,99
Paraíba
964,89
533,67
0,23
0,88
7,89
Pernambuco
908,23
485,42
-0,33
-0,42
6,49
Alagoas
904,90
452,14
0,60
1,74
6,13
Sergipe
876,49
465,86
0,47
2,26
5,78
Bahia
905,42
478,95
-0,05
0,67
4,72
REGIÃO SUDESTE
1027,97
492,02
0,01
0,27
5,30
Minas Gerais
934,09
514,05
0,03
0,20
5,30
Espirito Santo
896,68
497,46
0,05
0,30
6,49
Rio de Janeiro
1126,01
513,37
0,01
0,23
6,29
São Paulo
1055,82
476,93
-0,01
0,30
4,79
REGIÃO SUL
1006,86
481,52
0,70
1,05
6,19
Paraná
1006,08
481,07
0,25
0,06
4,19
Santa Catarina
1060,43
574,35
0,66
1,73
7,33
Rio Grande do Sul
956,56
434,18
1,53
2,09
8,58
REGIÃO CENTRO-OESTE
991,70
506,14
0,07
0,50
6,33
Mato Grosso do Sul
971,84
456,78
0,08
0,90
5,92
Mato Grosso
996,41
568,60
-0,07
0,02
5,69
Goiás
971,86
513,14
0,23
1,03
6,57
Distrito Federal
1026,78
453,61
0,04
0,20
7,17
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços.
Informações das parcelas de mão de obra e material podem ser obtidas na série de números índices no site do IBGE no endereço: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/sinapi/default.shtm 

Nenhum comentário: