1 de jun de 2015

Para a secretária Delma Andrade, o Maranhão saiu da prateleira do turismo nacional nos últimos quinze anos

Para secretária Delma Andrade, turismo bombava no Maranhão antes de 2000
Em entrevista concedida ao jornal O Imparcial, publicada neste domingo, a secretária estadual de Turismo, Delma Andrade, ao ser questionada sobre os principais desafios encontrados pela sua pasta, disse, sem ser contestada, que "o Estado perdeu espaço para outros destinos nos últimos 15 anos. Praticamente saiu da prateleira", ou seja, pelas contas da secretária, até 2000 havia uma intensa movimentação turística no Maranhão que se perdeu ao longo dessa década e meia.

Delma Andrade talvez não soubesse de alguns detalhes na política de turismo antes de conceder a entrevista. Por exemplo: a pasta que ela hoje comanda tem apenas oito anos, como Secretaria de Estado, já que foi criada na gestão de Jackson Lago, em 2007, quando foi chamado para ocupá-la o então presidente nacional da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav), João Martins Neto, proprietário da Caravelas Turismo, uma das mais tradicionais empresas do setor em São Luís. A partir daí, o estado passou a ser mais promovido nacional e internacionalmente.

A secretária também não havia se informado que somente em 2004, isto é, há 11 anos o Aeroporto do Tirirical, batizado com a atual denominação de Hugo da Cunha Machado em 1985, pela Lei 7.383 de 17 de outubro daquele ano, ganhou a certificação de aeroporto internacional, após a reforma inaugurada em 1998, pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, que havia promovido uma melhoria em todos os aeroportos do Nordeste.

Lençóis Maranhenses passaram a ser explorados somente depois de 2002
A secretária de Turismo também esqueceu de apurar que até 2000 era praticamente impossível chegar a Barreirinhas pela via rodoviária, pois a MA 402 foi inaugurada  há 13 anos, isto é, em 2002, a partir de quando os Lençóis Maranhenses passaram a ser divulgados nacional e internacionalmente internacionalmente. Graças ao boom do turismo, em 2006 a Franere inaugurou o Flat Residence, hoje administrado pela BHG, e a cidade ganhou outros equipamentos hoteleiros.

A secretária tem razão ao dizer que é preciso reconquistar o prestígio do turismo maranhense, mas a crise que ela reclama não vem de muito tempo, é recente, apesar de o Maranhão ter tido o privilégio de ter políticos locais no comandos dos dois órgãos que ditam a política do turismo nacional, o Ministério (dirigido por Pedro Novais e Gastão Vieira) e a Embratur (presidida por Flávio Dino). Basta ver as estatísticas da Infraero para constatar uma queda acentuada no movimento de passageiros pelo transporte aéreo nos últimos três anos e os números mais vexatórios são os de 2015.

Nenhum comentário: