28 de jun de 2015

São Luís vai mandar todo o seu lixo para aterro sanitário no município de Rosário a partir do mês de julho

GIRO ECONÔMICO

A partir do mês de julho todo o lixo domiciliar, bem como o recolhido em limpezas de rua na capital, será levado para o município de Rosário, mais precisamente para o aterro sanitário da Titara, empreendimento formado pela Limpel e o Grupo Queiroz Galvão. Esta é a alternativa que está sendo encontrada, segundo o secretário municipal de Obras, Antônio Araújo, depois que a Justiça determinou a interdição definitiva do Aterro da Ribeira, localizado no Distrito Industrial de São Luís, no bairro do Tibiri. O fechamento atende a um pedido da Infraero, pois a concentração de aves, principalmente urubus, atraídas pelo lixo passou a colocar em perigo a segurança do transporte aéreo, devido aos riscos de colisão desses animais com aeronaves. Em Rosário, o lixo será acomodado de maneira seletiva, não havendo ameaças de transformação em novo lixão, como alguns especulam.
O Aterro da Ribeira foi construído ainda não gestão de Conceição Andrade e pôs fim a um lixão que havia no bairro do Jaracati, no mesmo local em que foi construído o São Luís Shopping Center e está sendo levantado um condomínio residencial.

Diretor - Ainda faltam dez audiências públicas para que o projeto de modificações na lei de ocupação do solo urbano e o novo plano diretor de São Luís sejam encaminhados à Câmara Municipal para sua votação. Apesar do pessimismo de alguns, haja vista o retrospecto de adiamento dessas medidas, o Instituto da Cidade garante que desta vez os problemas serão solucionados. Pelas mudanças, vai ser possível se construir prédios com até trinta pavimentos em algumas áreas da cidade: Olho d´Água, Jaracati etc.

EmendasI - Se não houvesse o protesto de quatro deputados governistas que ficaram sem emendas para promover festas de São João em seus redutos eleitorais, a população certamente ficaria sem saber, mas a Assembleia Legislativa tem direito a mais de R$ 20 milhões para que parlamentares promovam esse tipo de festa. A cada cabe a cifra de R$ 250 mil e como são 42, seriam R$ 20,5 milhões para este farra. Já que quatro oposicionistas e quatro da base aliada foram excluídos, o Governo economizou R$ 2 milhões.

Emendas II - A propósito do alto volume a que têm direito os deputados para fazer festas juninas em suas bases, vale lembrar que o montante para esta finalidade é menor do que os R$ 20 milhões prometidos pelo governador Flávio Dino (PCdoB) ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior a fim de recuperar as principais vias urbanas de São Luís.





O deputado Eduardo Braide, que assumiu a defesa dos interesses dos fiscais agropecuários na Assembleia Legislativa, com Clenilson Santos (E) e Francisco Saraiva (presidente do Sindicato dos Fiscais da Aged-MA


Emprego - O saldo positivo de 1.300 postos de trabalho no setor da construção civil no último balanço do Cadastro Geraldo de Empregados e Demitidos (Caged) foi comemorado pelo Governo do Estado, apesar do saldo negativo no geral, que ultrapassou a casa dos 3 mil, gerando um acumulando de mais de 9 mil desempregos, de janeiro a maio deste ano. Na reunião do Conselho Empresarial do Maranhão (Cema), sexta-feira, disse que os contratos da construção em grande parte se devem a obras públicas estaduais.

Aterrorizador - O economista José Teixeira, que foi secretário de Fazenda e chefe da Casa Civil do Governo Luiz Rocha, em conversa com seu amigo Cursino Raposo, proprietário da Sematel, traça um cenário nada animador para a economia brasileira. Ele e um grupo de outros profissionais da área se reuniram recentemente em Brasília para troca de opiniões sobre este momento de crise por que passa o Brasil e a conclusão a que chegaram e que a população ainda não experimentou nem 30% do que está por vir.

Nenhum comentário: