31 de ago de 2015

Distrito Industrial é o retrato do abandono, com ruas esburacadas e terrenos se transformando em favelas

Terreno invadido, onde em vez de fábricas, casebres de mais uma favela
GIRO ECONÔMICO

Mais uma vez os empresários instalados no Módulo 1 do Distrito Industrial de São Luís vivem a sensação de abandono. Há oito meses veem aumentar a buraqueira nas ruas e avenidas, acúmulo de lixo etc, porém o problema mais preocupante no momento é uma invasão, que vai se expandindo dia após dia, sem que alguma autoridade tome providências para contê-la, bem como não há por parte dos órgãos de representação do empresariado qualquer pronunciamento contra a ameaça de seus patrimônios. As empresas mais prejudicadas, até por estarem na vizinhança dos casebres, são Shalon (fabricante de portas) e São Marcos (indústria metalúrgica), porém também se sentem ameaçados os empresários e trabalhadores que são obrigados a passar pelo local, diariamente, pois têm aumentado os riscos de assalto, roubos e outros delitos.

Ruas do Módulo 1 do Distrito Industrial estão esburacadas
Para completar, a reforma do Plano Diretor de São Luís, que está em fase de audiências públicas, coloca mais um problema para dificultar quem deseja empreender na área: a sua transformação em zona de expansão rural.

O secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, esperado na área desde o início do ano, promete fazer uma visita ao local, a fim de verificar o estado em que ele se encontra, até para que possa apresentar uma sugestão aos seus colegas de governo, principalmente os ligados à área de Segurança Pública.

Business - A Federação das Indústrias e o Consulado Geral dos Estados Unidos promovem terça-feira (1º de setembro), às 14h, na sede da Fiema, com a presença do cônsul para o Nordeste, Eric Olson, a quinta edição do Maranhão for Business, destinado a incentivar as indústrias maranhenses a ter mais participação no comércio internacional. Voltado para micro, pequenas e médias empresas, este evento tem por objetivo apresentar oportunidades de negócios, com foco no mercado norte-americano. 

Sucessão - Faltando mais de um ano para o pleito, já começaram os debates internos na Associação Comercial do Maranhão com vistas à sucessão de Luzia Rezende e três aparecem como os mais prováveis para encabeçar a chapa situacionista: Fabrízio Duailibe, proprietário da Lençóis Maranhenses; o atual vice-presidente Gustavo Marques (secretário municipal de Projetos Especiais); e Cláudio Azevedo, vice-presidente para Assuntos do Agronegócio, que atualmente preside o Sindicato da Indústria de Ferro-Gusa.

Portugal - O empresário Carlos Gaspar, proprietário da Kia Auvepar, vai dar uma pausa nos negócios para rever, depois de muitos anos, Portugal. Na próxima sexta-feira (04), ele embarca para Lisboa e aproveitará a estada em terras lusitanas para buscar novas inspirações para suas próximas produções literárias.





Homenageado pela Associação Comercial do Maranhão na festa de comemoração dos seus 161 anos, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior recebeu placa da presidente, Luzia Fonseca Rezende, e do conselheiro Edésio Meneses de Barros (D)


Veredas - O Instituto do Agronegócio do Maranhão (Inagro) realiza sexta-feira (04), no povoado Veredas, em Barreirinhas, seminário para apresentação dos resultados do Projeto Viva Vereadas, patrocinado pela Petrobras e voltado para recuperar a nascente do rio Preguiças, o que foi possível com a criação de novas atividades e orientação para novos meios de produção às comunidades de Veredas e Rio Grande, a fim de evitarem danos ao meio-ambiente, como, por exemplo, devastação das margens do rio.

Agritec - O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Maranhão (Sebrae) espera repetir em Bacabal, Caxias e Açailândia, com a realização da Feira Agrotecnológica (Agritec), o mesmo sucesso que vem sendo obtido em São Bento, onde a exposição começou na quinta-feira e se encerrou no sábado (29). Os eventos são uma promoção deste órgão de fomento, que conta com apoio do Governo do Estado e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na sua organização.


2 comentários:

Anônimo disse...

Há um pouco de exagero nesse texto. Os moradores precisam compreender que as obras estão chegando, a prefeitura tem trabalhado em todos os bairros. Não deve demorar para chegar aí o Distrito Industrial.

Anônimo disse...

ACREDITO NO TRABALHO E NA COMPENTENCIA DO NOSSO PREFEITO EDIVALDO E SEI QUE LOGO AS OBRAS CHEGARÃO LÁ. TEM GENTE QUE SO SABE CRITICAR SEMPRE E FICA POSTANDO HISTORINHA NOS BLOGS. NÉ BLOGUEIRO.