29 de mar de 2016

Flávio Dino certamente não conhecia a extensão dos problemas na BR 135 ao prometer recuperar rodovia

Rodovia BR 135 está em estado precário de conservação e causa problemas
O governador Flávio Dino (PCdoB) certamente deve ter solicitado de algum auxiliar, provavelmente o secretário de Infraestrutura, Clayton Noleto, informações mais precisas sobre os estragos na BR 135 antes de cumprir a promessa feita, sábado (26), de que assumiria a recuperação da rodovia e para isto ingressaria na Justiça com uma ação para que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes Terrestre (Dnit) transferisse para ele a responsabilidade da obra.

"Com a responsabilidade que me cabe, na segunda-feira o Estado do Maranhão ingressará na Justiça contra o Governo Federal. O pedido é que o Governo do Maranhão seja autorizado pela Justiça a efetuar recuperação emergencial BR 135, cobrando ressarcimento do Governo Federal", postou Sua Excelência em sua página no Facebook, mas o foco já foi mudado, pois nesta terça-feira (29) a Procuradoria Geral do Estado (PGE) vai pedir que o órgão federal execute os serviços.

Flávio Dino sabe também sabe que parte do problema na rodovia é por culpa do Estado, que mantém um esgoto estourado a altura do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, jorrando dejetos para o leito da pista e comprometendo a sua base. O Dnit já avisou que enquanto a Companhia de Saneamento Ambiental (Caema) não solucionar esse dano será impossível recuperar a estrada.

Quem viaja à noite pelas rodovias do Maranhão corre risco maior de acidentes
A verdade é que o Maranhão não teria condições financeiras de, sequer, começar os trabalhos e basta ver o que tem feito com as rodovias estaduais, pois, a exemplo das federais, também estão em estado precário de conservação. A MA que liga São Luís a São José de Ribamar, entre a Forquilha e o Maiobão, é apenas um exemplo. Quem viaja pelo interior do estado sabe da extensão do problema para todo território maranhense.

A BR 135, de São Luís a São Mateus, está quase que 100% danificada. São muitos buracos que obrigam motoristas a andar em baixa velocidade e sob riscos constantes de acidentes. O Dnit, com certeza, não faria nenhuma objeção em passar o problema para frente e deve estar lamentando o objeto da reclamação, pois queria que se cumprisse a promessa do governador.

Ao recorrer primeiro às redes sociais, como é do seu costume, em vez de consultar sua equipe, se é que faz isso e se é que há alguém com equilíbrio no primeiro escalão para aconselhá-lo, o governador deu um passo em falso, pois não levou em conta o provérbio de que "palavra de rei não volta atrás", cujo significado não traduz apenas excesso de autoridade, mas de sabedoria, ou seja, um governante deve sempre saber o que está dizendo quando se dirige a seu povo.

Nenhum comentário: