21 de abr de 2016

Dilma passa cargo a golpista, sai do país e quando retornar vai reassumir o cargo normalmente. Que golpe!

A presidente Dilma Rousseff (PT), que assiste inconformada à contagem regressiva dos dias que faltam para o fim de sua permanência no comando da Nação, não perde a oportunidade para dizer que está sendo vítima de um golpe político. Disse isso em pronunciamento pelas redes sociais, a correspondentes estrangeiros, a blogueiros financiados pelo Palácio do Planalto, a mulheres que foram manifestar solidariedade e agora ela a vai dizer isto também na ONU.

Fazem coro a esse discurso, líderes de movimentos sociais, como o MST, governadores alinhados, deputados, senadores e demais inconformados com o desfecho das investigações da Justiça Federal, do Tribunal de Contas da União (TCU), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Congresso Nacional, todos órgãos funcionando dentro das regras constitucionais, assim como vem sendo o rito de impeachment, ditado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O mais estranho deste golpe é que um dos seus principais articuladores, segundo a presidente, o vice-presidente Michel Temer, acaba de receber dela o cargo de governante máximo do país, vai substituí-la até sábado, quando volta dos Estados Unidos, e quando retornar vai encontrar tudo em ordem, não haverá tropas na rua e nem será privada de reassumir suas funções, ou seja, vai poder entrar livremente no país, assim como saiu.

Só no Brasil, mesmo, para se dar um golpe assim!

Nenhum comentário: