11 de mai de 2016

Governador Flávio Dino está prestando grande desserviço à Câmara Federal, diz líder do PSDB, Antônio Imbassahy

Flávio Dino, agindo a seu modo em defesa da Constituição Federal, deu
conselhos a Waldir Maranhão, que se complicou na Câmara dos Deputados
Uma suposta oferta de cargo no primeiro escalão do Governo do Estado, pelo governador Flávio Dino, para evitar a cassação do deputado federal Waldir Maranhão (PP-MA), pois ele poderia se licenciar para exercer a nova função, teve reação negativa na Câmara Federal, onde foi dado um prazo a ele, até esta quinta-feira (12), para renunciar ao cargo de vice-presidente e assim evitar a expulsão do partido e a perda do mandato parlamentar, por tentar anular a sessão de votação do impeachmente da presidente Dilma, ocorrida dia 17 de abril, ato que ele próprio revogou após perceber o erro em que se meteu.

Um dos críticos mais contundentes a esse arranjo do governador maranhense partiu do líder do PSDB, Antônio Imbassahy, da Bahia. "Com todo respeito ao governador Flávio Dino, ele prestou um desserviço ao País. Esse tipo de arranjo (nomear Maranhão secretário) tem que ser muito cuidadoso, não acho que seja uma boa solução", declarou o parlamentar baiano.

Na noite desta terça-feira (10), líderes partidários estiveram reunidos e não atenderam ao pedido de Waldir Maranhão para que esperassem até a próxima semana por uma solução para o caso, mas concordaram em dar mais um dia de prazo para o presidente interino. O limite fixado anteriormente era esta quarta-feira (11) ao meio-dia.

Waldir Maranhão pediu um prazo maior, pois precisaria vir a São Luís conversar com a família e aliados políticos como o governador Flávio Dino (PCdoB), que apontara como uma das saídas para tirar o deputado da crise em que se meteu trazê-lo para assumir uma secretaria no Governo do Estado. O governador Flávio Dino e o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, foram os responsáveis por convencer Maranhão a anular as sessões da Câmara que levaram ao impeachment.

(Com dados da Folha de São Paulo)

Nenhum comentário: