24 de mai de 2016

Governo precisa parar de procurar culpados para crise na Segurança Pública, diz presidente do Sindcombustíveis

O empresário Orlando Santos (foto), que preside o Sindicato dos Distribuidores de Combustíveis do Maranhão (Sindcombustíveis), disse na manhã desta terça-feira (24) que o Governo do Estado precisa parar que procurar culpados para a crise da violência em São Luís. Ele fez a afirmação ao comentar o que considerou "jogo midiático" do presidente do Procon, Duarte Júnior, ao tentar responsabilizar os donos de postos de combustíveis pela gasolina utilizada por bandidos para incendiar ônibus na cidade.

Orlando Santos estranhou que Duarte Júnior primeiro tenha procurado os veículos de comunicação para anunciar uma medida de caráter tão delicado e sequer se reuniu com a entidade para discutir a questão, cuja notificação só foi protocolada às 10h desta terça-feira, e lembrou que o Sindicato não pode ser acionado pelo comportamento dos seus filiados, ou seja, se alguma empresa descumpre normas do comércio de combustíveis que seja responsabilizada individualmente, pois "o sindicato não vende gasolina".

O empresário diz que é lamentável esse posicionamento do Procon, pois primeiro o Estado queria culpar as empresas de ônibus e agora que responsabilizar os postos de combustíveis por uma ação criminosa que a polícia perdeu o controle. Para ele, é estranho que o governador Flávio Dino (PCdoB) delegue questões tão delicadas na área de segurança a quem busca apenas projeção na mídia.

"Se ele quer ser prefeito de Paço do Lumiar, vice-prefeito de São Luís, vereador ou deputado, que busque outros caminhos", disse, Orlando Santos, referindo-se a Duarte Júnior, a quem promete responsabilizar judicialmente por qualquer atentado aos postos de gasolina. O presidente do Procon notificou o Sindcombustíveis porque postos estariam vendendo gasolina em recipientes fora do padrão normal, o que, segundo Orlando, já é regulamentado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Bio Combustíveis (ANP).

Nenhum comentário: