19 de jun de 2016

Procon não fiscaliza e barracas juninas tiram o coro de frequentadores de arraiais juninos com preços nas alturas

O Instituto de Defesa do Consumidor (Procon), tão zeloso no controle de preços quando o objetivo é multar donos de postos de combustíveis, livrarias em períodos de matrículas de alunos, estacionamentos privados, universidades particulares e estabelecimentos comerciais em geral, bem que poderia exercer sua força e aplicar a lei para coibir abusos que vêm sendo cometidos contra o consumidor nos quatro arraiais juninos mantidos pelo Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís, promotores do São João de Todos Nós.

Quem frequentou esses espaços neste fim de semana se assustou com os preços praticados pelas barracas que comercializam comidas e bebidas, pois estão muito fora da realidade, tanto pela quantidade do que é vendido quanto pela qualidade do serviço que é oferecido.

Para que se tenha ideia, em todas as barracas estão sendo comercializadas apenas cervejas nas chamadas latinhas "palito" de 269 ml., ao preço de R$ 4,50 (quatro reais e cinquenta centavos), ou seja, por 538 ml paga-se R$ 9,00 (nove reais), praticamente o dobro do quanto se paga numa garrafa de 600 mil num bar ou o mesmo valor do quanto é cobrado num restaurante, barraca de praia etc, dependendo da marca.

Pior é com a exploração da venda de alimento. Um prato de comida típica, com uma porção de arroz, vatapá, farofa e um pedaço de torta custa R$ 20,00 (vinte reais), ou seja, se quatro pessoas se juntarem para ir a uma barraca e forem degustar um prato, cada pessoa, vão gastar quase o valor de uma refeição numa Cabana do Sol, Feijão de Corda ou outro restaurante de renome da cidade. Se for em restaurante popular, então, dá que sobra. Com uma diferença: no arraial usa-se pratos, colheres e garfos de plástico.

Vale destacar que as barracas são cedidas de graça, bancadas com dinheiro público, não emitem nota fiscal, não pagam empregados..., ao contrário dos outros estabelecimentos que o Procon tanto fiscaliza a olhos de lupa e multa sem piedade.

Nenhum comentário: