9 de out de 2016

Aumenta o número de maranhenses que contam com serviços de TV por assinatura em suas residências

GIRO ECONÔMICO

O número de lares maranhenses com serviços de televisão por assinatura aumentou no mês de setembro 0,84% no Maranhão, ou seja mais de mil residências na comparação com o mês de agosto. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que registrou mês passado um total de 167.414 residências com esse serviço contra 166 mil.011 em agosto. Na comparação com agosto de 2015, os dados da Anatel apontam para uma queda de 0,18%, já que no mesmo mês daquele ano eram 167.709 residências com esse tipo de serviço, o que dava uma densidade de 8,96 para cada grupo de cem unidades residenciais. 

A densidade atual é de 8,67 para cada grupo de cem. Os dados referentes ao Maranhão estão na contramão do que ocorreu no país, pois a Anatel registrou uma quantidade de 18.906.862 assinantes em todo o país, o que significa uma redução de 20.737 usuários em relação a julho deste ano, que tinha 18.927.599.

Se consideradas as informações mais recentes a queda foi de 48.531 assinaturas de TV paga. Considerando os dados de 26 de agosto, em julho, 28,03% dos domicílios brasileiros contavam o serviço, já em agosto houve uma queda para 27,78% das residências.

Odebrecht - Não são bons os cenários no Maranhão para a Odebrecht Ambiental, a partir de 2017, pois sua experiência como concessionária de serviços de água e esgoto pode se encerrar em São José de Ribamar e Paço do Lumiar, onde opera um consórcio formado pelas das duas prefeituras com a promessa de uma terceira, Raposa. Os prefeitos eleitos Luis Fernando Silva e Domingos Dutra, respectivamente das cidades onde opera, ameaçam romper o contrato, devido à baixa qualidade do serviço e aos preços exorbitantes. 

Exposição - Um grupo de pecuaristas de bovinos, equinos, caprinos e ovinos está se organizando para levar a Teresina (PI), em novembro, os animais que pretendiam mostrar e/ou comercializar na Exposição Agropecuária do Maranhão (Expoena) deste ano. Devido à proximidade geográfica, os expositores apostam que podem fazer bons negócios sem altos custos operacionais com transporte, estada de funcionários etc e poderá ser uma boa oportunidade para mostrar fora do Maranhão o padrão genético dos rebanhos locais.

Debate - Um empresário de construção civil informa à coluna que, diante da omissão das entidades de reunirem os candidatos a prefeito de São Luís, vai tentar ouvi-, pelo menos individualmente, em encontros com seleto grupo de empreendedores que convidará.







Eleito prefeito de Codó, o empresário Francisco Nagib Oliveira (PDT), da FC Oliveira, com o deputado Othelino Neto (PCdoB), vice-presidente da Assembleia Legislativa



Representação - Os criadores de cavalos que se sentem ameaçados pelo fim de vaquejada já decidiram que não vão procurar a Assembleia Legislativa para pedir apoio a fim de impedir que a atividade seja proibida no Maranhão, pois, mesmo havendo vários deputados do meio ruralista – Humberto Coutinho, Fábio Braga, Stênio Rezende, Graça Paz e outros – nenhum tem coragem de defender o meio rural, optando por cuidar de causas urbanas ou mesmo mostrar simpatia por bandeiras de quem se opõe ao agronegócio.

Manifestação - Nesta segunda-feira (10), após encerramento da vaquejada do Parque Portal da Amazônia, em Timon, vaqueiros e outros envolvidos na prática da vaquejada vão atravessar o rio Parnaíba e ocupar as ruas de Teresina (PI), num protesto contra a ameaça a essas competições depois que o Supremo Tribunal Federal julgou inconstitucional uma lei do ceará que a tornava legal, o que pode desencadear proibições nos demais estados, não apenas de vaquejada, mas de rodeio e outros esportes com uso do cavalo.

Nenhum comentário: