1 de out de 2016

Fábio Gentil promete encerrar, neste domingo, 12 anos de mando da família Coutinho no município de Caxias

Fábio Gentil juntou a oposição encerrar 12 anos da família Coutinho
O município de Caxias é um dos poucos do Maranhão onde a disputa eleitoral deste domingo está polarizada, pois são apenas duas candidaturas ao cargo de prefeito. De um lado está Léo Coutinho (PSB), que tenta a reeleição com o apoio de duas máquinas pesadas - a prefeitura e o governo do estado - e do outro, o vereador por cinco mandatos Fábio Gentil (PRB), que conseguiu um fato inédito na política caxiense: unir todas as correntes de oposição em torno do seu nome, a fim de interromper 12 anos de mando da família Coutinho no município.

No que diz respeito à estrutura de campanha, os números são assombrosos, pois enquanto Gentil arrecadou R$ 284,3 mil o seu adversário conseguiu juntar R$ 1,061 milhão. Gentil tirou do próprio bolso, segundo declaração ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), R$ 60 mil, e o prefeito se dispôs a botar de suas economias R$ 1,050 milhão no projeto de reeleição. As pesquisas eleitorais apontam que esta é uma das disputas mais acirradas do estado. A última, realizada pelo Instituto Fênix, dá 46% para Fábio Gentil e 32% para Léo Coutinho.

Gentil não tem dúvidas de que vai ganhar, pois este é o sentimento apurado nas ruas da cidade. Nesta sexta-feira (30), ele realizou uma carreata, que começou com menos de cem veículos, mas ao término eram mais de quinhentos, além de milhares de pessoas fantasiadas de verde e amarelo, as cores do seu partido, o PRB.

Léo Coutinho torrou R$ 1 milhão para se reeleger, mas pode perder
Segundo ele, a população está ansiosa por uma mudança, pois o atual prefeito teria sido uma das piores experiências já experimentadas pelo povo de Caxias. Nos dois primeiros anos, alegou falta de apoio da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) para não cumprir as promessas de campanha, porém veio o governo Flávio Dino, que lhe dá total apoio, e a situação parece ter piorado. Vale ressaltar o apoio que recebe também do tio e antecessor deputado Humberto Coutinho (PDT), presidente da Assembleia Legislativa e um dos homens mais fortes no governo de Flávio Dino.

Segundo Gentil, apesar de ser empresário e filho e sobrinho de empresários, Léo Coutinho se revelou um péssimo administrador da coisa pública. Não atraiu empresas, fez cair a geração de empregos, fechou hospitais e escolas públicas, prometeu e não cumpriu um shopping para os camelôs e deixou a cidade com um aspecto perverso de abandono. Por tudo isso, acredita, merece perder, "e vai perder".

(Com imagens do 45 Graus e blog do Sabá)


Um comentário:

Anônimo disse...

Falou tudo blogueiro