15 de nov de 2016

Reforma da Concha Acústica na Lagoa da Jansen prevista para acabar em agosto se arrasta por mais de 200 dias

Iniciados em abril deste ano com a promessa de estarem concluídos em 120 dias, os serviços de recuperação da Concha Acústica da Lagoa da Jansen ainda não estão nem 50% concluídos, já passados mais de 200 dias de trabalho, e pelo jeito a reinauguração deve ficar para o final do primeiro semestre de 2017, pois quem passa pelo local vê apenas a movimentação de poucos operários num ritmo desanimador.

A placa com as informações sobre a obra, porém, continua atual até porque, descumprindo as normas de transparência, nela não está indicada a data a partir de quando o prazo estipulado passaria ser contado.

Esse tipo de retardo não é nada anormal no Brasil, e principalmente no Maranhão, onde burocracia, contratação de empresas sem condições de execução da obra (até porque algumas oferecem preço muito aquém do custo real, só para vencer licitação e depois pedir aditivo), má vontade dos governantes, corrupção etc se misturam sempre que o poder público contrata uma obra, o que necessariamente não é o caso do projeto em questão. 

A menção à reforma da Concha Acústica é apenas para comparar com o que se passa num país como o Japão. Na cidade de Fukuoka, no dia 08 deste mês, terça-feira da semana passada, portanto, um trecho de uma avenida afundou e deu origem a um buraco de 30 metros de largura, 27 metros de comprimento e 15 metros de profundidade. 

Além do buraco, foram destruídas as tubulações de esgoto, fiação elétrica e telefone e uma série de outras destruições do que estava sob a pista. Pois bem, sete dias depois do ocorrido a avenida foi liberada nesta terça-feira (15) para o tráfego de veículos, mas os trabalhos duraram apenas 48 horas, ou seja, dois dias, e só não foran liberada antes por causa dos testes de qualidade. 

Além do buraco tapado, foram feitos os serviços de sinalização na pista e aérea, recuperação de calçadas, enfim tudo voltou a ser como era antes e certamente não houve um centavo de propina.

Nenhum comentário: