20 de jan de 2017

Além de restritas à Madre de Deus e Aterro do Bacanga, as festas pré-carnavalescas não podem passar das 22h

Além de concentrar as festas pré-carnavalescas na área compreendida entre os bairros do Desterro, Praia Grande e Madre de Deus (incluindo o Aterro do Bacanga), a decisão do Governo do Estado (Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Segurança Pública, Secretaria de Meio Ambiente), Prefeitura Municipal (Blitz Urbana, Secretaria de Transportes, Guarda Municipal) e Ministério Público, dentre outros órgãos, impõe um limite de no máximo até às 22h (quando houver cobrança de ingresso) para realização das festas pré-carnavalescas, a partir deste fim de semana, estando proibida a reserva de espaço público para esses eventos.

A medida, que atendeu em parte aos reclamos de moradores que se sentem prejudicados com os excessos de barulho, falta de estrutura e riscos de violência, vem sendo questionada pelo rigor imposto à população, pois a partir de agora, até mesmo quem mora distante do Centro, terá de se deslocar em viagens de muitos quilômetros para se divertir, e isto vai implicar em deficiência de transporte público para suportar o crescimento da demanda de passageiros aos sábados e domingos, riscos de acidente por quem vai se utilizar de veículos próprios e uma série de outros problemas alegados por aqueles que acham que deveria ter havido um acordo entre o poder público e os organizadores das festas antes de se impor os limites.

Os bairros mais afetados com as medidas são Cohatrac, Cohab-Anil, Cidade Operária, Maiobão, Turu, Anjo da Guarda, São Cristóvão e outros, que sempre tiveram festas particulares ou nos Vivas (praças públicas). Até mesmo alguns moradores dessas áreas acham que a medida foi excessiva, pois praticamente elimina o carnaval dos bairros periféricos. O problema, no entanto, não são os blocos, as bandas, os bailes, mas, principalmente, os que abusam do uso de carro de som para importunar as moradores das imediações desses eventos, fazem arruaças, transformam as ruas em banheiros etc.

Saiba o que diz a decisão sobre os limites impostos aos pré-carnaval:






Nenhum comentário: