27 de fev de 2017

Simplício Araújo mais uma vez se equivoca quando fala de desenvolvimento, pois não consegue apagar o passado

Como faz desde o dia 02 de janeiro de 2015, após ter sido empossado na Secretaria de Indústria e Comércio, o secretário Simplício Araújo (foto) aproveitou a entrevista concedida neste domingo ao Jornal Pequeno para lançar críticas à gestão anterior, embora ele próprio, sem se dar conta, confesse que alguns investimentos que estão vindo para o Maranhão são consequências da política de atração de empresas para o Maranhão adotada na gestão anterior.

Ao anunciar que o Maranhão deverá ser contemplado, até 2018, com investimentos que superam a casa dos R$ 7 bilhões, Simplício disse que isto é resultado do modelo adotado pelo atual governo para conceder incentivos. Aí o repórter pergunta:

"O governo Flávio Dino mudou a política ou o Maranhão já trilhava numa rota favorável a obter esses investimentos?"

E o secretário responde:

"Mudamos a política de incentivos fiscais do Estado, que passaram a ser concedidos a cadeias produtivas e não mais a empresas discriminadas. Os novos investimentos privados foram estimulados por essa política. Na cadeia da proteína vegetal e animal, por exemplo, devem ser concluídos neste ano ano investimentos de R$ 200 milhões da Algar Agro, na ampliação da capacidade de processamento da unidade de soja em Porto Franco; e da Notaro Alimentos, de R$ 172 milhões em um complexo avícola em Balsas".

É impressionante o raciocínio do secretário, pois a unidade de processamento de soja da Algar, em Porto Franco, foi inaugurada em junho de 2012, e a Notaro, em Balsas, em dezembro de 2013, ou seja, ambos os empreendimentos chegaram ao Maranhão muito antes do início do atual governo, ou seja, foram atraídos pela política anterior de incentivos fiscais, ou seja, se estão sendo ampliados é porque já estavam aqui, mas o secretário não quer enxergar assim e por isto sempre que fala em desenvolvimento precisa primeiro criticar o que encontrou até para justificar o porquê das coisas estarem ocorrendo tão lentamente nos tempos atuais.

Um comentário:

GAZETA do BRASIL disse...

Lamentavelmente o carreirismo político mesclado com oportunismo e falta de preparo leva a maioria aos clichês e pontificações por obsoletas cartilhas que buscam assassinar reputações,desmerecer pessoas e ideias, esconder interesses refugiados nas mais antiéticas posturas, em busca do famigerado,infame e volátil poder ao qual se dedicam os fracos de caráter e mal nascidos. É o reflexo de tanta liberdade mal administrada e culto ao demônio Mamon. Ao final, se estrepam. É só esperar e conferir!