11 de mar de 2017

Maranhão volta a ser segundo maior produtor de grãos na região do Matopiba, de acordo com estimativa da Conab

O 6º levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) sobre a produção de grãos na safra 2016/17 mostra que o Maranhão voltou a ser o segundo maior produtor agrícola na região do Matopiba, área formada também pelos estados do Tocantins, Piauí e Bahia, posto que havia perdido ano passado. De acordo com o levantamento, a colheita deste ano deverá ser praticamente o dobro da anterior, pois serão 4,179 milhões de toneladas contra 2,481 milhões da safra 2015/16, ou seja, 90,2%, e isto o coloca à frente tanto do Piauí (3,470 milhões) quanto do Tocantins (4,490 milhões) e atrás apenas da Bahia (7,303 milhões).

De acordo com o levantamento da Conab, dois fatores continuem para : a ampliação da área plantada, que 16,5%, saindo de 1,420 milhão para 1,655 milhão de hectares, e a produtividade, que foi de 1.748 quilos por hectare na colheita anterior e este ano será de 2.825 quilos por hectares, o que se explica tanto pelo uso de novas tecnologias quanto por uma queda nas perdas, já que o ano passado foi marcado por um dos períodos de seca mais intensa no estado.

Apesar deste bom desempenho, o Maranhão terá perda em uma das culturas mais tradicionais, o arroz, que terá uma colheita inferior à da safra passada em 17,1%, ou seja, cairá de 268,3 mil para 222,4 mil toneladas. O melhor desempenho será da soja, que deve ter uma variação positiva de 127,2%, ou seja, de 1,250 milhão na safra 2015/16 serão colhidas, este ano, 2,840 milhões de toneladas. A área para plantio de soja aumentou 20,3%, indo de 786,3 mil para 945,9 mil hectares. A produtividade também aumentou consideravelmente, indo de 1.590 quilos por hectare para 3.003 quilos por hectare, ou seja, aumento de 88,9%.

Outras culturas que também sinalizam para aumento da colheita são o algodão, de 82,5 mil para 89,3 mil toneladas; feijão, de 39,3 para 47,8 mil toneladas; e milho, que vai de 874,4 mil para 1,555 milhão de toneladas. Leia reportagem completa em Maranhão Hoje.

Nenhum comentário: