2 de mai de 2017

OAB garante que foram 13 feridos, sendo dois com mãos decepadas, no conflito com índios Gamela em Viana

Desde que foram dadas as primeiras notícias sobre o conflito de domingo (30 de abril) entre proprietários rurais e índios Gamela, no povoado Bahias, em Viana, Governo do Estado e Conselho Indigenista Missionário (Cimi) insistem na divulgação de números divergentes sobre as vítimas do confronto. Para o governo, foram sete feridos; para o Cimi, treze, sendo dois com mãos decepadas.

Na manhã desta terça-feira (02), o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA), Rafael Silva (foto), confirmou a versão do Conselho Indigenista e garante que esteve com os dois que tiveram as mãos decepadas: um, as duas; outro, uma. Segundo o advogado, os golpes que deceparam as mãos dos dois Gamela foram iguais aos dados em animais quando os lavradores querem inutilizá-los para não destruir suas plantações.

"O que houve, na verdade, foi uma tentativa de esquartejamento", acrescenta o advogado.

Segundo ele, as duas vítimas tiveram os membros reimplantados, mas podem perder os movimentos.

Para o advogado, o governo conta apenas cinco índios e dois posseiros, porque se baseia em registros de hospitais, mas o Cimi contabiliza os que ficaram feridos na Baixada, alguns liberados depois de medicados. Rafael Silva diz que já advogou para os índios e diz que a Funai precisa urgentemente dar uma resposta a essa questão, pois, no seu entendimento, o povo Gamela tem direito às terras que reivindica, pois trata-se de uma doação feita ainda pela Coroa Portuguesa, em 1759.

Em nota divulgada nesta terça-feira, a Secretaria de Articulação Política e Comunicação (Secap) reafirma a versão de apenas sete vítimas. Eis o teor:

NOTA
Atualização de informações médicas sobre vítimas de violência em Viana
  1. A Secretaria de Saúde registrou atendimento de sete pessoas em hospitais municipais e estaduais. Dessas, cinco gamelas e dois não são gamelas.
  2. Dos sete atendidos em hospitais, quatro tiveram alta hospitalar imediatamente.
  3. Quanto aos três que permanecem internados, nenhum teve a mão decepada. Conforme boletins médicos, em face da agressão sofrida, um dos gamelas teve fraturas expostas nos braços. A equipe médica interveio e fez cirurgia para resolver a grave lesão. A cirurgia foi realizada e, até aqui, o paciente vem tendo evolução. Permanece internado em hospital do Governo do Estado e devidamente assistido por equipe médica.
Esclarecemos que todas as informações oficiais têm por base os boletins médicos de equipe especializada em traumas e lesões desta natureza.

Nenhum comentário: