21 de jun de 2017

Deputado critica exclusão do bairro da Madre de Deus da programação junina do Governo do Estado e da Prefeitura

Para o deputado Eduardo Braide (PMN), a comunidade da Madre de Deus foi abandonada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), que não incluiu o bairro na programação oficial de São João, mesmo sendo considerado um dos berços culturais da capital.

“A Madre de Deus foi simplesmente abandonada pelo Governo do Estado. Na Praça da Saudade sempre houve arraial. No Largo do Caroçudo, a mesma coisa. E o último resquício que ficou do São João na comunidade, que é na Capela de São Pedro, o governo não liberou nenhuma brincadeira para os dias de festejo. Eu não sei o porquê dessa discriminação com a Madre Deus. Eu não quero acreditar que seja por razões políticas. Seria muito pequeno por parte do governador do Estado”, reforçou o deputado.

Ainda no pronunciamento, Eduardo Braide repudiou a postura do governador pela forma como a comunidade da Madre de Deus tem disso tratada culturalmente.

“Na Praça da Saudade, a única coisa que restou foi o nome: a saudade do que já foi um dia o São João lá. Porque se depender do governo comunista, a ordem é cortar tudo. Não ter nada na Madre de Deus. E eu não sei qual o motivo da perseguição e essa maldade com a comunidade que historicamente vive da cultura. Poderíamos estar gerando renda na Madre Deus, elevando a autoestima do povo da comunidade, mas infelizmente o governador resolveu escolher a Madre Deus para massacra-la agora no período junino. Por isso, fica aqui o nosso repúdio ao governador Flávio Dino pela forma como vem tratando a comunidade da Madre Deus”, afirmou o parlamentar.


Nenhum comentário: