6 de jun de 2017

Deputado Edilázio Júnior acha que Palácio dos Leões atuou para derrotar regulamentação do aplicativo Uber

Edilázio Júnior repudia atos de vandalismo registrados em manifestações no DF
O deputado Edilázio Júnior (PV) não tem dúvida: o seu projeto de lei que propunha a regulamentação do aplicativo Uber em todo o Estado foi derrotado na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (06), por uma manobra do Palácio dos Leões, que não pretendia ver a aprovação de uma proposta lançada por um parlamentar de oposição. 

Pode parecer exagero, pois, afinal de contas, até mesmo outros oposicionista votaram contra, como é o caso de Max Barros, que se posicionou contrário por entender que, conforme a Constituição Federal, trata-se de uma matéria de responsabilidade dos municípios.

O projeto, elaborado com vistas a regulamentar o transporte remunerado privado individual de passageiros entre municípios provocou uma acalorada discussão, com discursos proferidos na tribuna pelo autor da matéria, Edilázio Júnior, como também por outros parlamentares, entre os quais Max Barros (PRP), Cabo Campos (DEM) e Rafael Leitoa (PDT).

Ao justificar a proposição, Edilázio disse que acredita no Uber como mais uma alternativa do transporte para a população e para o consumidor. “É por isso que eu estou defendendo a legalização do Uber, que hoje é uma realidade em todo lugar do mundo, em todos os locais, em todas as cidades onde chegou. Hoje a população clama pelo Uber”.

Para ele, nem com a rejeição o Uber vai deixar de operar, portanto o Estado e os municípios que vão ficar sem uma fonte de receita. Já a população vai continuar optando por qual serviço melhor lhe atende e o aplicativo, em vez de legalidade, vai aumentar o número de serviços de transportes clandestinos.

Nenhum comentário: