14 de jun de 2017

Flávio Dino vai a evento na Cândido Mendes, no Rio de Janeiro, e manda Carlos Brandão ao encontro de Temer

Flávio Dino em palestra para poucas pessoas na Universidade Cândido Mendes
Nesta terça-feira (13), o presidente Michel Temer reuniu governadores e vices de vinte estados, para tratar, dentre outros assuntos, das dívidas das unidades federativas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Mais uma vez, o Maranhão foi representado pelo vice, Carlos Brandão (PSDB), em mais uma demonstração do governador Flávio Dino (PCdoB) de não querer aproximação do Palácio do Planalto, cartilha na qual não rezam nem mesmo governadores do PT dos ex-presidente Lula e Dilma Rousseff.

Participaram do encontro com o presidente, além dos representantes dos estados, presidentes de bancos públicos como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento).

Carlos Brandão (D) reunido com governadores e o presidente Michel Temer
Vale destacar que na segunda-feira (12), Flávio Dino encontrou espaço na agenda para participar, no Rio de Janeiro, de um debate sobre Saídas Democráticas para a Crise Atual, na Universidade Cândido Mendes, evento que, como atesta a foto acima, reuniu menos de um centena de participantes. Além do governador maranhense, atuaram como palestrantes o ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (TSE) Gilson Dipp; o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Rui Falcão; o ex-deputado federal Luiz Alfredo Salomão; e o professor Cândido Mendes, reitor da universidade.

Em sua palestra, Flávio Dino defendeu que é preciso “recuperar a centralidade da política” e fazer uso do princípio dos “freios e contrapesos” para se ter poderes harmônicos e independentes no país, temas que poderiam ser apropriados para a reunião do dia seguinte, em Brasília, caso estivesse disposto a manter um relacionamento cordial com o Governo do Estado, pois, como sempre diz em seus discursos, as diferenças ideológicas e partidárias não podem ser levadas para o campo pessoal.

Nenhum comentário: