2 de jun de 2017

Supremo investiga inchaço de servidores no Procon para atender apadrinhados políticos do governador Flávio Dino

O Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor do Maranhão (Procon-MA) virou alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) por conta de um suposto aparelhamento do órgão, para o qual teriam sido nomeados, sem concurso, 347 servidores. A notícia foi dada em primeira mão pela coluna do jornalista Cláudio Humberto (reproduzida pelo Jornal Pequeno).

De acordo com a notícia, o ministro Alexandre de Moraes cobrou explicações ao governador Flávio Dino (PCdoB) pelo inchaço do órgão, mas ainda não teria conseguido obter respostas, apesar das insistências via telefone e email. O ministro teria alegado que as nomeações seriam para preencher cargos por apadrinhados políticos, o que contraria a lei que criou o órgão.

Nesta sexta-feira (02) pela manhã, em entrevista à Mirante AM, no programa Ponto Final, ancorado por Roberto Fernandes, o presidente do Procon-MA, Duarte Júnior (Foto), se defendeu acusando o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado de ter sido autor da denúncia, numa reação às investigações contra aumento de mensalidades e outros serviços que estariam em desacordo com os interesses do consumidor. Duarte Júnior explicou ainda que houve fusão do Procon com o Viva, o que fez aumentar o número de servidores e anunciou que em breve haverá concurso para contratar funcionários.

2 comentários:

Anônimo disse...

O Palhaço Shoktoc não se cansa de aparecer, pelo visto sua candidatura ainda nem saiu e já está indo por agua a baixo!

Anônimo disse...

Esse PROCON faz vista grossa com relação a fiscalizacfiscalização dos postos de combustíveis de Santa Inês. Mas já descobrimos o porquê. O dono da maior rede de postos da região do Vale do Pindaré é amigo do esposo da atual Prefeita de Santa Inês