12 de out de 2017

Declaração de presidente da Adepol sobre existência de "gaiolões" mostra que todos sabiam e ninguém fez nada

As declarações dadas pelo presidente da Associação dos Delegados de Polícia (Adepol) ao site Maranhão Hoje, Marconi Lima (foto), sobre a existência de "gaiolões" em delegacias de polícia de todo o Maranhão, inclusive da capital, desde 2000, exige do Ministério Público, do Poder Judiciário, da Defensoria Pública, da Assembleia Legislativa e até da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA) um posicionamento sobre esse tratamento desumano dispensado pela Secretaria de Segurança Pública a quem é dirigido a uma de suas instituições.

Afinal de contas foi preciso que um comerciante, Francisco Ednei, que havia cometido uma infração de trânsito, em Barra do Corda, morresse no interior de uma delas para despertar a revolta de vários segmentos da sociedade.

Apesar dos protestos, o Governo do Estado limitou-se a dar explicações apenas para a TV Globo, que veiculou o fato em rede nacional (mas não faltaram versões de aliados ao Palácio dos Leões nas redes sociais), e, como não poderia deixar de ser, jogou a culpa na gestão anterior, contudo, com base no que diz o presidente da Adepol, conclui-se que quando os gaiolões foram criados, em 2000, o secretário de Segurança era um dos maiores aliados de Flávio Dino na Assembleia Legislativa, Raimundo Cutrim (PCdoB), e o atual secretário, Jefferson Portela, nesse intervalo de 15 anos (para jogar culpa apenas nos governos anteriores), foi delegado geral e presidente da Adepol, portanto, nada disto pode lhe surpreender. Leia reportagem em Maranhão Hoje.



Nenhum comentário: