9 de dez de 2017

Sarney Filho tropeça nas palavras ao cobrar da "polícia de Flávio Dino" esclarecimentos sobre a morte de Nenzim

O ministro Sarney Filho (PV) foi o autor da maior gafe sobre a morte do ex-prefeito de Barra do Corda Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim, pois, sem saber que a polícia já tinha elementos para elucidar o crime, fez cobranças sobre o caso. “Estamos, realmente, muito abalados. É uma tragédia inominável, uma perda irreparável. Queremos que seja apurada a responsabilidade daqueles que foram os mandantes, os criminosos o quanto antes. Não podemos ficar à mercê de boatos, de versões”, acrescentou.

A parte mais atrapalhada na fala do ministro viria em seguida:

“É preciso que essa polícia do Governo Flávio Dino possa mostrar serviço, porque é o quinto ex-prefeito que é assassinado nesses últimos três anos, no Maranhão. E tudo indica que é um crime de pistolagem. Esse tipo de crime já não existia mais há muito tempo. Queremos que o mais rapidamente possível seja elucidado esse crime monstruoso que foi cometido contra um chefe de família, um homem do bem”.

Enquanto Sarney Filho fazia esse tipo de cobrança, a polícia aguardava apenas a decisão judicial para prender o principal suspeito, que estava no velório, chorando copiosamente, Júnior de Nenzim, como é conhecido Manoel Mariano de Sousa Filho, que teria mandado matar o pai para esconder roubo de gado numa das fazendas da família.  LEIA MAIS AQUI.

Nenhum comentário: