31 de jan de 2018

PCdoB faz de Zé Reinaldo o Pedro Pedreiro da música de Chico Buarque: esperando, esperando, esperando...

Quando chegou ao Governo do Estado em 2002, como substituto de Roseana Sarney, de quem era vice, José Reinaldo Tavares era visto como apenas um continuador da gestão da ex-titular e muitos achavam que iria apenas guardar o lugar para o retorno dela em 2006. Reeleito, fez, a partir de 2004, o que a oposição vinha tentando há mais de trinta anos: quebrar o ciclo do sarneysmo na política do Estado.

Com este rompimento com o Grupo Sarney, possibilitou em 2006 a eleição de Jackson Lago, de quem foi adversário em 2002, e pela sua coordenação política surgiram diversas novas lideranças no Maranhão, sendo a mais destacada o governador Flávio Dino (PCdoB), que obteve uma votação extraordinária para deputado federal, mesmo sendo um novato em política, o que jamais conseguiria sem as bênçãos do Palácio dos Leões.

Zé Reinaldo poderia ter deixado o governo em 2006 para se lançar a deputado federal ou senador, mas o seu vice, Jurandir Lago Filho, o Jura Filho, não era confiável para continuidade do seu projeto, por isto ficou até o fim. Saído do governo, foi humilhado, preso sob acusações de improbidade, porém seu desvio maior foi a ousadia de botar a oposição no governo.

Na eleição de 2010, quando todos imaginavam que as forças que ele tanto ajudou iriam se unir para fazer dele senador da República, eis que surgem diversos candidatos que contribuíram com apenas uma coisa: facilitar a eleição de Epitácio Cafeteira, e ele somente em 2014, já abraçando a campanha do seu protegido Flávio Dino, conseguiu retornar ao Congresso Nacional, mas sempre com o sonho de ser senador, e muitos imaginavam que desta seria mais fácil, pois sendo duas vagas, imaginava-se que uma das candidaturas prioritárias do Palácio dos Leões seria a dele, o que até hoje não se confirmou, pois em política gratidão não rima com nada.

Flávio Dino já anunciou seu primeiro nome, o deputado Weverton Rocha (PDT), e vem embalando os demais, num processo muito desgastante para Zé Reinaldo, e só ele não enxerga que não faz parte dos planos do PCdoB para a eleição deste ano. Paciente, ele espera, mas tudo indica que poderá virá o Pedro Pedreiro da música de Chico Buarque de Holanda: "Assim pensando, o tempo passa, e a gente vai ficando pra trás. Esperando, esperando, esperando. Esperando o sol, esperando o trem. Esperando aumento desde o ano passado para o mês que vem..."

Nenhum comentário: