10 de mar de 2018

Comerciantes e comerciários do Rio Anil Shopping reclamam do Governo do Estado por fazer campanha, através do Procon, para afastar clientes de suas lojas

Comerciantes estabelecidos no Rio Anil Shopping, no bairro do Turu, receberam com surpresa e estranheza a manifestação do presidente do Viva/Procon, advogado Duarte Júnior, que em "repúdio" ao fato do centro comercial não vir concedendo 30 minutos de tolerância no seu estacionamento, recomendou a população a evitar fazer compras nesse local.

A gerente de uma das lojas, que pediu anonimato, disse que pela primeira vez viu um órgão do Estado trabalhar contra comerciantes. Segundo ela, o Rio Anil não vende nada, e sim os comerciantes ali instalados, que pagam condomínio e outras taxas, portanto, se o Estado quer afastar clientes do local, quem vai perder mais são os lojistas. Além do mais, diz que o poder público tem meios legais para punir quem descumpre lei, e não cabe a ele orientar o consumidor onde fazer suas compras.

Outro comerciante diz que é estranho um órgão público estar a serviço de concorrentes de um estabelecimento comercial a pretexto de defender consumidor, esquecendo que os que são alvo do "repúdio" do diretor do Procon têm que recolher impostos, pagar funcionários e fornecedores e ter dinheiro para manter o funcionamento de sua loja.  Além do mais, lembra que o Procon está punindo comerciários, já que estes recebem comissão por venda e se não vendem não ganham.

Para ele, é uma novidade esse tipo de interferência do Estado em negócios privados. "O Maranhão sempre inova para pior", desabafou. Já uma comerciária diz que é triste esse tipo de campanha justamente num período em que as vendas tendem a aumentar, com a aproximação da Páscoa, quando poderiam aumentar sua renda mensal. "É triste!".

A reação de Duarte Júnior é porque o Rio Anil ainda não obedece a tolerância mínima de 30 minutos em seu estacionamento, conforme Lei Municipal nº 6.113/2016, considerada na última semana, constitucional pelo Tribunal de Justiça, apesar de haver um questionamento da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). "Se existe uma empresa que ignora seus direitos, procure outra que lhe atenda com qualidade e respeito", diz Duarte Júnior em sua manifestação. 

5 comentários:

Anônimo disse...

Processo nele!!! Quer se eleger a custa do suor alheio, usando a boa fé das pessoas.

Anônimo disse...

Deveriam era apoiar essa causa, pq isso favorecia os consumidores e consequentemente aumenta as vendas! Lamentável tal nota do blog, o que parece é que é algo totalmente escrito para prejudicar o governo, crítica vazia sem contexto ou base fidedigna das fontes...apenas palavras esparsas!

Fernando disse...

Apoiar ilegalidade jamais, mesmo que seja para me beneficiar. Faço questão de pagar, pois sei que tudo tem um custo, além de que não é por causa de R$5,00 que vou deixar de ir ao lugar que quero. Quem reclama de ter de pagar estacionamento é quem nunca tirou o pé fd São Luís. Em SP estacionamentos cobram de 20 a 25 a hora e a partir do primeiro minuto.

Anônimo disse...

Os lojistas do Rio Anil Shopping deveriam fazer pressão para a administração do shopping conceder os 30 minutos, afinal de contas existe uma lei regulamentando esse tempo e lei é para ser cumprida. Ou será q eles se acham acima da lei?

Maya Felix disse...

Acho que ele está muito certo, pois está defendendo o consumidor, idiota, que além de gastar dinheiro no shopping não tem direito sequer a um minimo de tolerância no estacionamento. Aliás, quem consome acima de 100,00 não deveria pagar estacionamento. Mas é claro, bando de idiotas, acham que ele está errado