5 de jun de 2018

Voto digitado nem sempre é o mesmo declarado pelo eleitor quando é entrevistado por instituto de pesquisa

As pesquisas de intenção de voto há muito são usadas não para medir, mas para influenciar a decisão do eleitor, sempre apostando, os marqueteiros dos candidatos, que as pessoas ainda escolhem o candidato que vai ganhar e não aquele em quem mais confiam.

Não raro, no entanto, o cidadão comum decide frustrar os estudos de estatísticos para dizer que as coisas não são bem assim, ou seja, voto digitado na urna nem sempre é o mencionado ao pesquisador. Eis alguns casos no Maranhão:

  • Em 1990, todos os institutos de pesquisa eram categóricos em afirmar que João Castelo venceria a eleição contra Edison Lobão no primeiro turno. Contados os votos, Castelo deixou de ganhar por menos de 1%, e no segundo perdeu.
  • Em 1994, as pesquisas davam como certa a vitória de Roseana Sarney contra Epitácio Cafeteira no primeiro turno. Não deu, e ela foi ao segundo com uma desvantagem muito grande, e perderia até mesmo pela medição de boca de urna, mas foi Roseana quem ganhou.
  • Em 2002 não havia quem no Maranhão não desse como certa a vitória de Jackson Lago no primeiro turno, e ele tinha tanta certeza disto que entrou com uma ação na Justiça para tirar Ricardo Murad do páreo, pois entendia que este queria apenas provocar um segundo escrutínio, contudo, contados os votos, quem venceu foi José Reinaldo, no primeiro turno. Aí Jackson foi para a Justiça a fim de validar os votos dados a Ricardo, mas foi em vão.
  • Em 2006, Roseana chegou até 80% de preferência do eleitorado, mas a diferença para Jackson Lago foi caindo à medida que a campanha foi avançando, e a disputa acabou indo para o segundo turno, e ela perdeu.
  • Em 2010, todas as pesquisas diziam que a disputa iria para o segundo, entre Roseana Sarney e Flávio Dino, mas ela ganhou logo no primeiro.
  • Para a eleição deste ano, Flávio Dino se baseia nos levantamentos de dois institutos - Data Ilha e Exata - que lhe dão cerca de 60%, ou seja, vai vencer no primeiro turno, mas isto ainda precisa ser combinado com os eleitores.

Nenhum comentário: