14 de nov de 2018

Flávio Dino perdeu a oportunidade de mostrar a Bolsonaro por que duvida de sua capacidade para presidir o Brasil

Flávio Dino duvida do governo de Bolsonaro, mas não
apresentará suas teses no encontro com presidente eleito
Muitos imaginavam que nesta quarta-feira (14), o governador Flávio Dino (PCdoB) iria prestar um grande serviço aos brasileiros ao dizer, de corpo presente, olhos nos olhos, o porquê de duvidar do sucesso do governo federal que se instalará em janeiro, com a mesma ênfase, ou talvez até maior, do que aquela com que vem se pronunciando nas redes sociais desde 28 de outubro quando o povo, soberana a livremente, escolheu Jair Bolsonaro (PSL) sucessor de Michel Temer. Afinal, nesta data, o presidente eleito vai reunir, em Brasília (DF) governadores eleitos e reeleitos com sua equipe econômica para apresentar suas ideias de desenvolvimento nacional, ouvir sugestões e criar uma espécie de pacto pelo Brasil. Leia reportagem em MARANHÃO HOJE.

Flávio Dino, porém, preferiu se ausentar do encontro e, a exemplo de outros governadores nordestinos, optou pela "nomeação" de Wellington Dias (PT), do Piauí, para falar por ele. Caberá ao governador piauiense apresentar uma carta em que os gestores estaduais do Nordeste expressam as prioridades para a região, com base nas ideias defendidas desde 2015, quando Dilma Rousseff (PT) ainda era presidente, e a partir de 2017, quando o presidente já era Michel Temer (MDB), ou seja, nada relacionado ao futuro governo. 

O arranjo encontrado para esta ausência, na verdade, cria uma certa frustração, pois o que os maranhenses imaginavam era a cena do governador, que já se anuncia como pretendente a sucessor de Bolsonaro, apresentando, neste encontro, os detalhes de suas teses e fosse mais além: dizer por que acredita que a posse de Bolsonaro em 1º de janeiro será marcada por falta de compromissos com a Constituição Federal, ao contrário da sua, que ocorrerá no mesmo dia.

Jair Bolsonaro, com traje típico do Nordeste, não contará com
governadores nordestinos no encontro deste quarta-feira em Brasília
Em suas postagens quase que diárias nas redes sociais, Flávio Dino já alertou que o caos vai se instalar no país a partir do governo Bolsonaro, inclusive já preveniu os maranhenses para os tempos difíceis que estão por vir, acrescentando, no entanto, estar preparado para esta "travessia do deserto" com a determinação de não deixar essa crise se estender para as bandas de cá.

Infelizmente, nada disto será dito ao presidente eleito e ficará a dúvida se o discurso do governador é com base em estudos técnicos e na sua experiência como gestor, se são palpites ou apenas palavras de efeito para não deixar alguém desmontar o palanque de uma campanha eleitoral já encerrada.

Ou estaria, Flávio Dino, com estas profecias catastróficas, apenas buscando um salvo conduto para não passar a ideia aos maranhenses de que eventuais erros em seu novo governo sejam responsabilidades suas? Só o tempo dirá.

Nenhum comentário: