15 de dez de 2018

Seminário em Brasileira debate os trinta anos dos fundos constitucionais de financiamento do Norte e Nordeste

Resultado de imagem para presidente do bnb
GIRO ECONÔMICO

O Seminário de trinta anos dos Fundos Constitucionais de Financiamento será realizado em Brasília, terça-feira (18), promovido pelos Ministérios da Fazenda e da Integração Nacional. O evento contará com palestra do presidente do Banco do Nordeste, Romildo Rolim, que falará sobre o trabalho da instituição na aplicação dos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

Ao longo dessas três décadas, o BNB injetou mais de R$ 246 bilhões do FNE em projetos produtivos na região Nordeste, norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. Operacionalizado exclusivamente pelo BNB, o Fundo constitui-se a principal fonte de recursos públicos para investimento em desenvolvimento regional, com benefícios que contemplam produtores rurais, empreendedores individuais, empresas de todos os portes e segmentos, bem como estudantes universitários atendidos pelo Programa de Financiamento Estudantil (Fies).

Este ano, até o último dia 10, o BNB aplicou mais de R$ 26 bilhões com recursos do FNE e a meta proposta é de R$ 30 bilhões até o final de dezembro, sendo, aproximadamente, metade voltada para empreendimentos de infraestrutura nas áreas de energia, com ênfase em fontes renováveis, água e saneamento, logística e transporte. Leia reportagem completa em MARANHÃO HOJE.

Patrocínio - Acendeu sinal amarelo em muitos clubes de futebol: o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou nesta quinta-feira (13) que irá rever contratos da Caixa Econômica, Banco do Brasil, do BNDES, da Secretaria Comunicação “e outros”.Parte inferior do formulário Segundo Bolsonaro, o governo de transição soube que a Caixa gastou cerca de R$ 2,5 bilhões em publicidade e patrocínio em 2018 e classificou os gastos como “um absurdo”. A Caixa é um dos maiores patrocinadores de clubes, a maioria deles por indicação política. 

Cheque - A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) aprovou quarta-feira (12) projeto que estabelece novas regras para o pagamento com cheque no comércio. Pelo projeto, o comerciante que se propuser a aceitar cheque como forma de pagamento somente poderá recusá-lo em duas situações: se o nome do emitente figurar em cadastro de serviço de proteção ao crédito ou se o consumidor não for o próprio emitente do cheque e titular da conta corrente. 

O empresário Mauro Fecury (E) reúne neste sábado no campus 
do Ceuma do bairro Renascença amigos para sua tradicional festa 
de confraternização de fim de ano, o XXVIII Jogos Amigos. No registro, 
com o ex-presidente José Sarney (C) e o filho Clóvis Fecury 
No governo - O presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingues, vai integrar a equipe do futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes. Em 1989, quando disputou a Presidência da República, Afif defendia ideias na área econômica com base num projeto elaborado para ele por Guedes. 

Estatais - A emenda da Câmara dos Deputados que libera a indicação de políticos e seus parentes para estatais não deve prosperar no Senado. Ao menos é o que defende o relator do projeto, Antonio Anastasia (PSDB-MG), que nesta quinta-feira (13) leu relatório que recomenda a rejeição da mudança feita pelos deputados no projeto original do presidente do Senado, Eunício Oliveira. Após a leitura, o presidente da CCJ, Edison Lobão (MDB-MA), adiou para a próxima semana a votação da proposta. 

Tributária - O presidente da Comissão de Reforma Tributária na Câmara dos Deputados, Hildo Rocha (MDB), está convencido de que o Brasil está mais próximo de ter uma cobrança de impostos mais justa e que promova o desenvolvimento social e econômico. Aprovado o texto base, os debates agora passam para os plenários das duas casas legislativas e depois será votado pelo Congresso Nacional. Caso tivesse sido barrado, na próxima legislatura os trabalhos teriam que começar do zero.

Nenhum comentário: