1 de fev de 2019

Aumenta o saldo entre abertura e fechamento de empresas do setor varejista, segundo estudo da CNC

GIRO ECONÔMICO

O comércio varejista fechou 2018 com 8,1 mil novas lojas, entre estabelecimentos que fecharam e que abriram as portas, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O resultado positivo vem depois de três anos com saldo negativo (mais empresas fechando as portas do que abrindo), pois entre 2015 e 2017, o setor perdeu 223 mil estabelecimentos. Em 2018, o segmento com melhor desempenho na abertura de lojas foi o de hiper e supermercados, que ganhou 4.510 novos estabelecimentos, seguido pelo de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (1.747) e pelas drogarias, farmácias e lojas de cosméticos (1.439). 

Os únicos segmentos com saldo negativo foram móveis e eletrodomésticos (-176) e material de construção (-926). Regionalmente, em 15 das 27 unidades da Federação houve mais aberturas do que fechamentos, destacando-se de forma positiva São Paulo (3.883), Santa Catarina (1.706) e Minas Gerais (940).

No Maranhão, segundo a CNC, o saldo foi negativo, pois a diferença entre lojas abertas e lojas fechadas é de -84. 

Financiamento - O Banco da Amazônia está disponibilizando a produtores rurais uma linha de crédito com taxas baixas para aquisição de caminhonetes novas. Uma grande vantagem é a possibilidade de pagamento em parcelas semestrais ou anuais, dando assim um grande fôlego financeiro ao produtor rural. Voltado para pessoas físicas envolvidas no agronegócio, a linha de crédito possui planos de pagamento com taxas menores que 1% ao mês e permite ao cliente negociar melhores preços, pois o vendedor receberá à vista. 

Correios - O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações publicou nesta quinta-feira (31), no Diário Oficial da União, portaria que autoriza o reajuste nas tarifas dos serviços postais prestados em regime de exclusividade pelos Correios. A correção média autorizada para este ano é de 0,3893% para serviços nacionais e internacionais. As cartas comerciais e não comerciais não sofrerão alterações, ficando a R$ 1,95 e R$ 1,30, respectivamente. O telegrama redigido pela internet passou de R$ 8,15 para R$ 8,19. 

Por um dia, o deputado Rigo Teles (no registro com o governador 
Flávio Dino) será presidente de um poder no Maranhão. Na condição de 
parlamentar mais antigo, ele presidirá a sessão de abertura da nova
legislatura na Assembleia Legislativa 
Despedida - Dois senadores e oito deputados federais pelo Maranhão se despediram de Brasília nesta quinta-feira (31 de janeiro) e estarão fora do Congresso Nacional, por não terem sido reeleitos, desistido de novo mandato e ou terem concorrido a outros cargos. Dois deles, Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) vão apenas trocar de casa, saindo da Câmara para o Senado. 

Infraestrutura - O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou nesta quarta-feira (30) que o governo prevê contratar R$ 100 bilhões de investimentos em rodovias para os próximos 30 anos. A reação da Confederação Nacional do Transporte (CNT) foi contundente: “Com esse anúncio pífio, o governo frustra a todos nós, transportadores e sociedade em geral. Sem fortes investimentos em infraestrutura de transporte, o Brasil não cresce”, avaliou o presidente da entidade Clésio Andrade. 

Educação - O Brasil deveria seguir o exemplo da Coreia do Sul, que aproveitou a experiência da indústria, para formular o desenho instrucional de cursos do Ensino Médio. A avaliação é de Cláudia Costin, diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da FGV. De acordo com ela, o país deveria aproveitar a capacidade educacional de instituições como, por exemplo, o Senai, para transmitir os conhecimentos adquiridos com a prática para as secretarias de Educação dos estados.

Nenhum comentário: