26 de fev de 2019

Hino Nacional é obrigatório em partidas de futebol, mas gerou polêmica ao ser pedida a sua execução nas escolas

Jogadores de futebol são obrigados a ficar perfilados para cantarem o 
Hino Nacional antes de qualquer partida realizada no Brasil
Para começar mais uma semana de polêmicas envolvendo o governo de Jair Bolsonaro, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, irritou alguns segmentos da oposição e da área educacional ao despachar um pedido a diretores de escolas públicas e privadas para leitura de uma carta por ele assinada no primeiro dia letivo do ano. 

No mesmo ato, alunos, professores e funcionários dos estabelecimentos de ensino devem se postar de frente para a bandeira do Brasil e cantar o Hino Nacional. Leia reportagem em MARANHÃO HOJE.

A polêmica está em dois pontos: a carta do ministro tem o slogan da campanha presidencial de Bolsonaro - Brasil de acima de tudo, Deus acima de todos - e o pedido de filmagem desses atos para posterior envio ao Ministério da Educação e à Secretaria de Comunicação do Governo. Apesar dos atos serem voluntários, a recomendação gerou desconfiança, principalmente pelo pedido das gravações que envolveriam crianças. Qual o objetivo?

Quanto à execução do Hino Nacional, muitos elogiaram e não vêem nada de anormal, muito pelo contrário, foi interpretada como um ato patriótico, embora alguns segmentos das esquerdas não concordem, mas vale lembrar que em outros eventos, como é o caso do futebol, o hino é obrigatório.

Em dezembro de 2016, o então presidente Michel Temer sancionou lei que obriga a execução do Hino Nacional na abertura das competições esportivas nacionais. A obrigatoriedade atinge todas as modalidades vinculadas a entidades que integram o Sistema Nacional do Desporto, como o Comitê Olímpico Brasileiro, o Comitê Paralímpico Brasileiros e ligas regionais e nacionais de futebol.

Vem então a pergunta: se jogadores, comissão técnica dos times e torcedores são obrigados a cantar o hino em eventos esportivos, por que não poderia, voluntariamente, ser nas escolas?

Nenhum comentário: