29 de jun de 2019

Folha de São Paulo mostra que editor do site Intercept fez quatro correções em diálogos de procuradores, o que põe em dúvida todo conteúdo sobre ministro Sergio Moro

Resultado de imagem para Glenn Greenwald
Em reportagem publicada neste sábado (29) sobre supostos diálogos em que procuradores criticam a postura do ex-juiz federal Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, a Folha de São Paulo, mostra que o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, editor do Intercept, alterou quatro vezes os diálogos que postou nesta madrugada, a fim de corrigir erros ou personagens, o que fez aumentar as dúvidas sobre a veracidade dessa série de diálogos, que ele diz ter recebido anonimamente.

Saiba o foi alterado pelo norte-americano em sua última postagem:

  • Em post no Twitter antes da publicação da reportagem, o jornalista americano Glenn Greenwald, um dos fundadores do Intercept, teria apresentado reprodução de uma conversa citando o procurador Ângelo Goulart Villela. A matéria publicada, porém, cita outro nome: Ângelo Augusto Costa, que depois virou apenas Ângelo. 
  • Segundo a primeira versão da reportagem,  Monique Chejer seria procuradora do Ministério Público Federal MPF) em Osasco (SP) e Barueri (SP). Depois, o Intercept publicou uma errata, informando que a procuradora atua em Petrópolis (RJ); 
  • Em um dos diálogos, Monique teria dito: "Desde que eu estava no Paraná, em 2008, ele (Sergio Moro) já atuava assim". Ela, porém, argumenta que só foi trabalhar no Paraná em dezembro daquele ano e que nunca havia ouvido falar do então juiz federal; 
  • Em outro trecho, o site publicou que os diálogos seriam de 1º de novembro de 2019. Em nova versão, o The Intercept fez uma errata e corrigiu a data para 1º de novembro de 2018.
Leia mais sobre o assunto em MARANHÃO HOJE.

Nenhum comentário: