22 de abr. de 2020

Empresário Carlos Gaspar se despede do setor automotivo com transferência da concessão Chery para o Grupo Saga

Aquiles Emir: Carlos Gaspar reúne imprensa nesta terça-feira para ...
GIRO ECONÔMICO

Um dos mais tradicionais empresários do ramo automotivo, Carlos Gaspar, encerrou sua participação neste setor ao transferir para o Grupo Saga a última concessão que ainda detinha, a dos chineses Chery, hoje fabricados no Brasil, graças aos investimentos do Grupo Caoa. 

Segundo ele, revenda de veículos atravessa um momento delicado e no Maranhão, este mês, as vendas devem ser insignificantes por conta do isolamento social para contenção do covid-19, que proibiu o funcionamento, dentre outras empresas, das concessionárias de veículos, e as vendas pela internet nem de longe compensam as presenciais, portanto acha que saiu no momento certo, sem ter o dissabor de amargar os prejuízos que vão demorar a ser recuperados. Ele não revela o valor da transação, mas diz que passou a bandeira por um valor bem inferior ao que valeria em tempos normais.

Com esta aquisição, o Grupo Saga passa a ser a revenda com mais bandeiras no estado, pois revende os modelos da General Motors, Renault, Jeep, Fiat, Kia, Pegeot e Citröen, além da recém adquirida. 

Orientação nas empresas - O Serviço Social da Indústria do Maranhão (Sesi) está assessorando indústrias sobre como garantir segurança para seus trabalhadores e prevenção ao contágio do covid-19. Na última segunda-feira, iniciou um projeto que abrange a distribuição de máscaras e kits de higiene para as indústrias da capital, e a divulgação do Guia Sesi de Prevenção da Covid-19. O projeto, que visa a levar informação para as empresas de diversos segmentos, iniciou suas atividades com o setor da construção civil. 

Gastronomia afetada - O presidente do Sindicato de Bares e Restaurantes de São Luís (Sindbares), Francisco Neto, teme uma falência em massa de empresas do setor gastronômico, caso não haja retomada das atividades o mais breve possível, pois as vendas a delivery não respondem nem por 10% do movimento tradicional, e vem pagando o maior preço quem está atrelado aos aplicativos de grandes operadoras, que só repassam o valor da venda 40 dias após a transação, e com isto muitos estão sem caixa para abastecer suas cozinhas. 

Francisco Neto, presidente do Sindbares, lamenta os
prejuízos sofridos pelas empresas do setor com a suspensão
de suas atividades, mas acha que é importante
colaborar com os esforços do poder público para
conter o coronavírus 
Disputa de gestores - Na disputa de governadores e prefeitos para saber quem exagera mais nas medidas de contenção do coronavirus, Firmino Filho, de Teresina, parece disposto a ficar em boa colocação. Depois de lacrar a Ambev, proibiu gráficas de imprimirem revistas, panfletos etc, apenas embalagens. 

Funcionamento da Caixa  - Desde esta quarta-feira (22), a Caixa Econômica Federal está adotando horário de atendimento mais longo, das 08h às 14h, em mais de mil agências em todo o Brasil, com entrada controlada de clientes, para os serviços considerados essenciais. Segundo informações da Caixa, estarão disponíveis saques de benefício do INSS sem cartão, pagamento do seguro-desemprego sem cartão e senha e retirada do Bolsa Família e outros benefícios sociais também sem cartão e senha. 

Trabalhando com delivery - A Câmara de Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL) criou um site, o CDLivery, com uma ampla listagem de empresas que adotaram o serviço de entrega de pedidos de consumidores., como forma de compensar os prejuízos causados pela suspensão das atividades comerciais “O delivery tem se mostrado uma poderosa ferramenta para superar o distanciamento social, e estamos dando todo o suporte ao lojista para viver esse momento de restrições”, justifica o presidente da entidade, Fábio Ribeiro.

Nenhum comentário: