19 de mai. de 2020

Após Flávio Dino dizer que cloroquina está disponível na rede pública, Eliziane Gama muda opinião sobre remédio

A senadora Eliziane Gama (Cidadania), que na sexta-feira (15) postou em sua conta no Twitter uma crítica ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), "pela insistência para liberar a cloroquina", indicada contra os efeitos do coronavírus, mudou de ideia sobre a droga e agora admite que possa ser eficaz, isto porque o governador Flávio Dino (PCdoB) confessou que desde o mês de abril o medicamento está disponibilizado nas unidades de saúde do Maranhão, apesar de considerar sua defesa "delírios ideológicos".

Na sexta-feira, a senadora fez a seguinte postagem:

"Difícil entender a insistência do presidente para liberar a cloroquina, confrontando a ciência. Se em romance policial a autora perguntaria: a quem interessa o crime? Não creio que esse medicamento seja um caso de segurança nacional ou de governabilidade. #COVID19"

Nesta segunda-feira (18), ela deu nova versão sobre o uso do medicamento:

"Com responsabilidade e só após avaliação médica, o @GovernoMA adotou o protocolo para uso da cloroquina. Tudo feito sob prescrição e com todos os riscos acompanhados por médicos. Cuidado e respeito com a vida. Quem prescreve remédio é médico e ñ político".

Enquanto os políticos debatem se cloroquina deve ou não ser usada para
cura da infecção por coronavirus, a população se protege como pode,
comprando o medicamento para uso imediato ou futura prescrição
Vale ressaltar que o Governo Federal vem recomendando a cloroquina, desde o mês de março, com base também em estudos científicos, A oncologista e infectologista Nise Yamaguchi, cientista de renome internacional, é a principal conselheira do Ministério da Saúde, e o Conselho Federal de Medicina (CFM) também respalda sua prescrição, e nunca houve incentivo a automedicação ou uso indiscriminado. 

Embora não esteja comprovada 100% de sua eficácia, é o remédio que mais tem curado infectados. Talvez tivesse evitado tantas mortes no Brasil, que no Maranhão já somam mais de 600. Como sua primeira defesa pública foi feita pelo presidente Bolsonaro, cloroquina passou a ser sinônimo de direita, de bolsonarismo, por isto vem sendo boicoitada pela maioria dos governadores e prefeitos, enquanto o número de mortos aumenta cada vez mais, para sofrimento de milhões de brasileiros. 

13 comentários:

Eduardo disse...

Essa é mais uma que faz parte do time quanto pior ficar para o Maranhão e para o Brasil, melhor para eles. Vale tudo pelo dinheiro, se morrerem em virtude de suas atitudes, tudo bem.
Espero muito qie o povo do Maranhão expulsem essa corja da polit6nas proximas eleições.

Anônimo disse...

A senadora Eliziane Gama infelizmente não tem opinião própria acerca de assunto algum.
A opinião dela será sempre aquela esposada por seu mentor Flávio Dino
não passa de um pau mandado. Maria vai com as outras. Pessoa sem estatura moral. Evangélica que apoia o comunismo e suas práticas nefastas contra a sociedade.

Unknown disse...

Falsa e sem opiniao propria.

Marcelo de Sá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...

Hipócrita

Unknown disse...

Enganou os evangélicos

silva disse...

Foi o voto mais errado que dei até hoje. Me arrependo amargamente de ter votado nesta senhora

Jmaciel disse...

A classe política é difícil de engolir,pois o efeito dura quatro anos e não tem como pedir reembolso

Luiz disse...

Me arrependo de ter votado nessa cidadã, traiu o meu voto

Unknown disse...

Me arrependo também de ter votado nessa cidadã ela nem seu Flávio Dino vai ganhar mais nenhum voto nem meu e nem de minha família ela é ima vergonha para nós

Anônimo disse...

Amigos essa mulher é uma das pessoas mais hipócritas que tive o desprazer de conhecer na minha vida. Não acreditem em nenhuma palavra dessa Sra, pois basta mudar o time que tá ganhando que ela muda de lado.

Ferraso3000 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Esses políticos tem que serem responsabilizado por ser atos - há um verdadeiro GENOCÍDIO no Amazonas, ora por não prescrição da cloroquina, ora por prescrição errônea - com prescrição 3X maior e ao que parece proposital.