11 de mai. de 2020

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Apenas dois setores do comércio - alimentos e medicamentos - ainda estão autorizados a funcionar em São Luís, mas o número de mortes por coronavirus continua aumentando. Será que vamos ser proibidos de comprar comida e remédio?

Um comentário:

Fernando Baima disse...

"RESPONDER NÃO OFENDE".

Mesmo fechando todo os setores de comércio e serviço, sabíamos que não seria barrada a disseminação do coronavírus. A decisão, aliás tomada em todo o mundo, foi para evitar uma contaminação simultânea, que resultasse em um número elevado de contaminados e, consequente, sobrecarrega dos sistemas de saúde. Nenhuma nação esperava ou estava preparada para o momento que vivemos. E não estamos falando somente de infraestrutura e equipamentos, mas, principalmente, de pessoal qualificado para a demanda - médicos e equipes para tratamento intensivo. Então, a ideia mais possível, foi aproximar a relação contaminados/atendimentos à capacidade existente ou que viesse a ser implantada. Daí, talvez, se tivéssemos contidos somente às atividades essenciais, resumidas aos setor de alimentos, medicamentos e serviços indispensáveis, teríamos resultados bem melhores. O que vimos, no entanto, é que a maioria da população resolveu se arriscar, tanto em atividades de sobrevivência quanto de lazer, ou por simples ignorância - e por isso vem pagando o seu preço em cadáveres. É certo que a economia será seriamente impactado. Mas, precisamos analisar a importância entre o lucro e a vida. O número de mortos vem se mostrando diretamente proporcional a esta teimosia.