29 de set. de 2020

Não foi o presidente da Fundação Palmares, mas Glória Maria que classificou como "um saco" queixas de racismo

Não foi o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, um dos mais radicais críticos das políticas de cotas para negros e de outras causas, que disse, e se fosse certamente metade do Céu já teria sido derrubado em nossas cabeças por parte da grande imprensa e, principalmente, defensores dos descendentes afros e outros politicamente corretos, mas foi a jornalista Glória Maria, da TV Globo, que classificou como um "saco" as constantes denúncias de racismo levantadas por quem se sente discriminado pela cor ou pela raça (leia aqui aqui)

Ao site Glamurama, ela disse que há um exagero na visão das pessoas sobre assédios e preconceitos.  “Eu acho tudo isso um saco". Segundo Gloria Maria, "hoje tudo é racismo, preconceito e assédio", e complementou com uma declaração que na boca de outra pessoa seria a mais pura manifestação de racismo: "a equipe com que trabalho me chama de ‘neguinha’, de uma forma amorosa e carinhosa. Estou mais de 40 anos na televisão, já fui paquerada, mas nunca me senti assediada moralmente".

Para Glória Maria, o politicamente correto é um porre. "Acredito que o politicamente correto é o caráter, a honestidade. Esse mundo que a gente está vem muito da amargura das pessoas, não aceito”.

Nenhum comentário: