8 de dez. de 2020

São Paulo se prepara para o turismo da vacina coronavac por quem tem pressa em se prevenir contra a covid-19

O governador de São Paulo, João Doria ( PSDB), cada vez mais pensando naquilo, a Presidência da República, lançou seu plano de vacinação contra a covid-19, jogando para a massa, pois, além de não ter ainda vacina a oferecer, marcou a data para início da imunização - 25 de janeiro de 2021, dia em que se comemora o aniversário da capital paulista - e pretende transformar isto num acontecimento de âmbito nacional. 

Além de disponibilizar 4 milhões de doses aos outros governadores e prefeitos para também comecem a vacinar em seus estados e município, antes de março (prazo estimado pelo governo federal para iniciar sua vacinação), e mais: qualquer brasileiro que estiver em território paulista será vacinado, seja ou não morador do estado.

Elogiado e criticado ao mesmo tempo por mais este gesto, Doria pode estar contribuindo para agravar a crise causada pela coronavírus, pois pode contribuir para o aumento da irresponsabilidade de alguns segmentos da população nesta convivência com o vírus. 

Ora, se neste momento, mesmo com indicadores comprovando aumentos de casos, o povo descuidou da doença, imagina o que poderá ocorrer com a informação de haverá (mesmo sem ter) vacina, já com data para começar a ser aplicada? Se São Paulo vacinará quem estiver em seu território, imagina a correria para o estado, um turismo in desejado, mas necessário, e também irresponsável por parte de quem tenciona uma imunização imediata para dias depois cair na folia momesca?

Antes de lançar seu plano, Doria foi categórico em dizer que é preciso despolitizar a pandemia. Realmente, está na hora de pensar mais em saúde do que em votos, até porque os índices de agora, em grande parte, são reflexos do que se fez durante o período eleitoral, ou seja, por voto se comprometeu a saúde do povo, que mais uma vez pode cair numa tentação por esta inútil disputa política para saber quem vai vacinar primeiro.


Nenhum comentário: