12 de fev. de 2021

Hotelaria terá de se reinventar com a falta de clientes para o período do carnaval, diz vice-presidente da ABIH

 GIRO ECONÔMICO

O cancelamento das festividades de carnaval não trouxe prejuízos apenas para foliões, artistas e pessoas que vendem seus serviços nesta época do ano (leia comentário Sexta-feira Gorda de Carnaval, sem Rei Momo no comando da cidade para garantir os direitos dos foliões), mas também para segmentos econômicos que recebem muitos clientes em busca ou correndo de folia e um dos mais afetados é, sem dúvida, o de hotelaria. Muitas empresas aguardavam compensar perdas dos outros meses, principalmente da época do "fique em casa", mas foram surpreendidas com as medidas de governadores e prefeitos, que suspenderam pontos facultativos dizendo estarem seguindo orientações da Ciência e da Medicina.

O vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira do Maranhão (ABIH-MA), Armando Ferreira, diretor do Rio Poty Hotel, diz que os hoteleiros vão ter de se reinventar para superar a crise, e uma das estratégias seria chamar quem deixou de viajar para outros centros de folia mais movimentados ou mesmo ficou sem folga para esses dias para levar as famílias para um ambiente diferente, confortável, seguro e prazeroso, como um hotel, onde encontra serviços de piscina, bar, restaurante, massagem e outros, sem a necessidade de pegar avião ou fazer longas viagens de carro.

Armando diz que 2020 não foi um ano fácil para a hotelaria, muitos donos de hotéis ainda tentam se reerguer e o carnaval seria uma oportunidade para isto, pois nesta época do ano há quem se hospede para ficar próximo da folia e não perder tempo nem correr risco com deslocamentos para casa. E há aqueles que procuram um hotel em busca de sossego, mas este anos os dois grupos estão limitados, e não podem ser chamados de clientela. 

Agora é esperar os movimentos dos meses seguintes.

Compras governamentais - Em 2020 as micro e pequenas empresas (MPE) tiveram participação em 38% das licitações públicas realizadas pelo sistema de compras eletrônicas governamentais, Comprasnet, o que equivale a R$ 21 bilhões. O mercado de compras públicas é considerado ainda pouco explorado pelos pequenos negócios, mas o Sebrae tem apoiado iniciativas do governo para que cada vez mais empreendedores tornem-se fornecedores de bens e serviços da Administração Pública.

Caixa em Alcântara - Ao participar nesta quinta-feira (11) da solenidade de entrega de títulos de propriedade a agricultores de Alcântara, o presidente Jair Bolsonaro  anunciou a implantação de uma agência da Caixa Econômica Federal no município, o que deverá facilitar o acesso da população a serviços bancários. Antes do anúncio, o presidente dirigiu-se ao prefeito Padre William e perguntou se havia Caixa na cidade, e diante da negativa, corrigiu o mandatário: "Não tinha, pois agora tem!".

Kátia Bogéa (C) fala da importância do programa voltado
para a revitalização do Centro Histórico de São Luís
Praça da Bíblia
- A Secretaria Municipal de Inovação, Sustentabilidade e Projetos Especiais (Semispe) e a Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (Fumph) entregaram, nesta sexta-feira (12), quatro quiosques e um triciclo aos comerciantes da Praça da Bíblia. A ação faz parte das ações do Programa de Revitalização do Centro Histórico de São Luís (Procidades), resultado da parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que visa à requalificação de espaços públicos em áreas que integram a parte histórica da cidade. "Aqui foi uma obra pensada e realizada com a participação da comunidade, aumentando ainda mais o sentimento de pertencimento e com a gestão dos equipamentos sendo feita pelos usuários, com padronização e organização", pontuou Kátia Bogea, presidente da Fumph.

Capacitação turística - A Secretaria Estadual do Turismo (Setur) está oferecendo novos cursos destinados ao trade turístico do Centro Histórico de São Luís. Segunda e terça-feira, dias 15 e 16, trabalhadores informais da Praia Grande poderão participar gratuitamente dos cursos de Atendimento ao Turista e de Manipulação de Alimentos. A ação faz parte do Projeto de Ordenamento da Praia Grande em parceria com a Blitz Urbana. Os cursos serão ministrados presencialmente no auditório do Centro de Comercialização de Produtos Artesanais do Maranhão (Ceprama), no turno vespertino, com duração de quatro horas.

Auxílio Emergencial - PesquisaExame/Ideia divulgada nesta sexta-feira (12) mostrou que 66% dos brasileiros acreditam na volta do auxílio emergencial ainda neste semestre, enquanto outros 19% acreditam que a criação do novo benefício ocorrerá somente depois de junho. Desde o início da pandemia, o auxílio contribuiu com quase 300 bilhões na economia. Em dezembro do ano passado o governo federal optou pela suspensão da continuidade dos pagamentos, alegando que este traria impacto negativo à economia e outros programas sociais. De acordo com a pesquisa, 48% dos entrevistados acreditam que essa remuneração deve voltar em algum momento.

Nenhum comentário: